UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

CONHEÇA NOTAS E MOEDAS HISTÓRICAS USADAS NO PAÍS

CÉDULAS DO BRASIL

Informações sobre o álbums
  • editoria:Geral
  • galeria: CONHEÇA NOTAS E MOEDAS HISTÓRICAS USADAS NO PAÍS
  • link: http://economia.uol.com.br/album/100819_cedulas_album.jhtm
  • totalImagens: 32
  • fotoInicial: 32
  • imagePath: http://ec.i.uol.com.br/album/
  • baixaResolucao: 0
  • ordem: ASC
  • legendaPos:
  • timestamp: 20120423121419
Fotos
A partir de 1642, dois anos após o fim da União Ibérica, os reis de Portugal, D. João IV e seu sucessor D. Afonso VI, tomaram uma série de decisões relativas ao dinheiro, entre elas, determinaram a carimbagem das moedas espanholas. O carimbo aumentava o valor da moeda e restringia sua circulação a Portugal e suas colônias. Banco Central Mais
Documento que acompanhava cada uma das barras de ouro produzidas nas Casas de Fundição, em 1809. Comprovava o pagamento do quinto e era aceito como moeda no comércio local. Banco Central Mais
O crescimento dos gastos com a presença da Corte portuguesa no Rio de Janeiro e a falta de metal precioso levaram à necessidade de emissão de moeda de papel para atender ao comércio. Criou-se o Banco do Brasil e, em 1810, foram lançados em circulação os primeiros bilhetes de banco no país, precursores das atuais cédulas. Banco Central Mais
As notas para o Troco do Cobre foram as primeiras emissões do Tesouro Nacional, órgão criado pelo governo para emitir o dinheiro do Brasil. As cédulas foram fabricadas para serem trocadas pelas moedas falsas de cobre. Banco Central Mais
O crescimento do comércio, no 2º Reinado, fez com que alguns bancos particulares tivessem permissão para emitir notas em diversas cidades do país. Esta cédula circulou na Bahia, entre 1845 e 1855. Banco Central Mais
As emissões em papel ficavam cada vez mais importantes, à medida que a população crescia e , no mundo inteiro, faltavam os metais preciosos usados na fabricação das moedas de valor alto. A cédula acima foi emitida pelo Tesouro Nacional, o único emissor legal de 1866 até o final do período imperial. Banco Central Mais
O Governo Provisório republicano também permitiu que alguns bancos emitissem notas. As emissões multiplicaram-se muito e retornou-se à idéia de um único emissor que, de 1892 a 1896, foi o Banco da República do Brasil. Banco Central Mais
Durante os primeiros anos da República, além de diversos bancos, vários órgãos do Governo foram encarregados da emissão de notas. O principal deles foi o Tesouro Nacional, que emitiu esta cédula em 1903. Banco Central Mais
Em 1906 foi criada a Caixa de Conversão, para combater crise no mercado do café e manter equilibrado o poder de troca da moeda do Brasil no comércio com outras nações. A cédula ficou conhecida como papel-ouro, porque tinha a garantia de ser trocada por moedas de ouro. A Caixa teve suas atividades encerradas em 1920. Banco Central Mais
Nota do Banco do Brasil, que foi autorizado a emitir moeda de papel entre 1923 e 1926. As cédulas de um conto de réis equivaliam a um milhão de réis. Banco Central Mais
Nota de Cr$ 5.000 (cinco mil cruzeiros), emitida pelo Banco Central em novembro de 1942, traz em destaque a imagem de Joaquim José da Silva Xavier, o Tiradentes. Banco Central Mais
Nota de NCr$ 10 (dez cruzeiros novos), lançada em 1967, com a imagem de Alberto Santos Dumont (1873-1932). O Cruzeiro Novo foi uma moeda temporária criada para que a população não fizesse confusão com o corte de três zeros. Por isso, as notas são carimbadas com os novos valores. Banco Central Mais
Nota de NCr$ 1 (um cruzeiro novo), com foto do navegador português Pedro Álvares Cabral (provavelmente em 1467-1520). Ficou em circulação de 1967 a 1973. O Cruzeiro Novo foi uma moeda temporária criada para que a população não fizesse confusão com o corte de três zeros. Por isso, as notas são carimbadas com os novos valores. Banco Central Mais
Retrato do diplomata brasileiro José Maria da Silva Paranhos (1845-1912), mais conhecido como Barão do Rio Branco. A imagem é inspirada em fotos oficiais da época em que era Ministro de Estado (1902-1912). A nota de Cr$ 1.000 (mil cruzeiros) ficou em circulação de 1978 a 1989 e foi popularmente chamada de "Um Barão". Banco Central Mais
Nota de Cr$ 500,00, ficou em circulação de 1972 a 1987. O desenho mostra a variedade étnica da população brasileira, com características dos povos que colonizaram o país. Banco Central Mais
Retrato de Cândido Torquato Portinari (1903-1962) com detalhe de gravura do painel "Tiradentes", concluído pelo pintor em 1949. A cédula de Cz$ 5.000,00 (cinco mil cruzados) ficou em circulação por pouco mais de dois anos, de 1988 a 1990. Banco Central Mais
O maestro Heitor Villa-Lobos (1887-1959), ladeado por representação de vitórias-régias, em alusão à Amazônia. A cédula de Cz$ 500 (quinhentos cruzados) ficou em circulação por quatro anos, de 1986 a 1990. Banco Central Mais
Nota com retrato da escritora Cecília Meireles (1901-1964), com alguns versos manuscritos extraídos de seus "Cânticos". A nota de NCz$ 100 (cem cruzados novos) depois virou Cr$ 100 (cem cruzeiros), com um carimbo. No total, considerando as duas moedas, ficou em circulação de 1989 a 1992. Banco Central Mais
Nota de Cz$ 1.000 (mil cruzados) com o retrato do escritor Machado de Assis (1839-1908), tendo à esquerda o emblema da Academia Brasileira de Letras, da qual foi fundador. A nota depois virou NCz$ 1 (um cruzado novo), com carimbo. No total das duas moedas, ficou em circulação de 1987 a 1990. Banco Central Mais
Figura do compositor Carlos Gomes (1836-1896), com detalhes de três figuras que representam "O Guarani", "Salvador Rosa" e "O Escravo", três de suas mais importantes óperas. A cédula de Cr$ 5.000 (cinco mil cruzeiros) ficou em circulação de 1990 a 1994. Banco Central Mais
Figura do sanitarista brasileiro Oswaldo Cruz (1872-1917), pioneiro no estudo das moléstias tropicais no Brasil. A cédula de Cr$ 50.000 (cinqüenta mil cruzeiros) ficou em circulação de 1984 a 1990. Banco Central Mais
A cédula de NCz$ 500 (quinhentos cruzados novos) traz a imagem do cientista Augusto Ruschi (1915-1986), ladeada por alegorias de flora e fauna, destacando-se uma representação de uma orquídea. Ficou em circulação de 1990 a 1994. Banco Central Mais
Ainda em circulação, a nota de R$ 1 (um real), marcou o período de transição do Cruzeiro Real para o Real . Lançada em 1º de julho de 1994, a nota não é mais fabricada, mas ainda continua em circulação. Banco Central Mais
As novas notas do Real, que começarão a circular a partir de novembro, trazem novos elementos de segurança para dificultar a falsificação. Banco Central Mais
As notas de menor valor - de R$ 2, R$ 5, R$ 10 e R$ 20 - serão trocadas gradualmente até 2012, enquanto as de R$ 50 e R$ 100 vão começar a circular em novembro deste ano. Banco Central Mais
Com tamanhos diferenciados e detalhes em alto relevo, o BC afirma que as novas notas vão atender às necessidades dos deficientes visuais, que têm dificuldade em reconhecer o valor das cédulas atuais Banco Central Mais
As novas notas continuarão a ser diferenciadas por cores predominantes, pois de acordo com o BC, isso facilita a rápida identificação dos valores nas transações cotidianas. Banco Central Mais
A troca das notas não acontece em razão de alguma incidência grave de falsificação, segundo o BC, e sim por motivo de prevenção. Banco Central Mais
As novas cédulas terão tecnologia de segurança avançada, de acordo com o BC. Banco Central Mais
Cada nota terá um tamanho, de acordo com o valor. A de R$ 100 vai ser a maior, medindo 15,6 cm por 7 cm. Banco Central Mais
As novas cédulas conterão itens de segurança mais sofisticados e layout mais atraente, com destaque para as de R$ 50 e de R$ 100, que terão as atuais figuras de animais na horizontal e em imagem tridimensional Banco Central Mais
A nota de R$ 100 ganhou novos motivos marítimos, com estampas no verso. Banco Central Mais

Últimos álbuns publicados

Hospedagem: UOL Host