UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

 

24/11/2009 - 18h39

Bovespa avança, e ganho no ano encosta em 80%; dólar sobe a R$ 1,735


Da Redação, em São Paulo

A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) fechou em alta de 0,76% nesta terça-feira, aos 67.317 pontos. No ano, o Ibovespa, principal indicador da Bolsa paulista está quase em 80% (79,27%). Veja ainda cotações das ações e fechamentos anteriores da Bolsa.

A cotação do dólar comercial encerrou em alta de 0,35%, a R$ 1,735 na venda. No mês, a moeda acumula perda de 1,2%; no ano, de 25,63%. 

O movimento do dólar inverteu-se após passar a manhã toda em queda. O crescimento dos Estados Unidos menor que o estimado inicialmente no terceiro trimestre e o aumento mais vagaroso dos preços de moradias no país foram apontados como motivo da aversão ao risco no exterior. Esse ambiente criou um clima propício para a alta do dólar em um mercado que já vem mostrando cautela.

Mais cedo, o Banco Central divulgou que a entrada de dólares no país superou a saída e, até o dia 18 de novembro, o fluxo cambial estava positivo em US$ 1,32 bilhão.

Em outubro, considerando todos os dias, o superávit cambial foi bem maior, de US$ 14,59 bilhões, mas o resultado foi inflado pelo lançamento de ações do Santander na Bovespa (Bolsa de Valores de São Paulo, o que trouxe uma enxurrada de investimentos para o Brasil.

A queda do dólar segue no centro das atenções. O presidente do BNDES, Luciano Coutinho, disse estar preocupado com a desvalorização do dólar e que o governo acompanha de perto o impacto cambial sobre a produção, mas descartou risco de insolvência para setores ou empresas brasileiras por enquanto.

"Há preocupação com a apreciação da taxa de câmbio que afeta produtos manufaturados e, neste momento, setores muito competitivos cujos preços internacionais não estão tão favoráveis começam também a sofrer com o câmbio apreciado”, afirmou.

"É uma preocupação que o governo tem em mente. Isso já produziu medidas no passado recente e continuará preocupando o governo", disse.

Já o novo diretor de política monetária do Banco Central, Aldo Mendes, disse hoje que o "valor ideal" da taxa de câmbio deve ser determinado pelas forças de mercado, enquanto as atuações do BC têm o objetivo apenas de manter a liquidez dentro de patamares adequados.

(Com informações da Reuters)

Compartilhe:

    Hospedagem: UOL Host