UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

 

16/08/2010 - 10h21 / Atualizada 16/08/2010 - 15h02

Bolsa opera em alta, e dólar cai; siga gráficos interativos

Da Redação, em São Paulo

A Bovespa (Bolsa de Valores de São Paulo) opera em alta nesta segunda-feira. Por volta das 15h, o Ibovespa (principal índice da Bolsa paulista) subia 0,7%, aos 66.727,37 pontos (siga gráfico da Bovespa com atualização constante). Veja ainda cotação das ações e fechamentos anteriores da Bolsa.

A cotação do dólar comercial caía 0,79%, a R$ 1,758 na venda  (veja gráfico com as últimas atualizações). A cotação do euro era tinha queda de 0,32%, a R$ 2,257 na venda (gráfico). Confira também as cotações anteriores do dólar e de outras moedas em novo gráfico interativo.

DESTAQUES DO DIA

Após anunciar a união das operações com a chilena Lan, as ações da Tam (TAMM4) sobem no Ibovespa.

As ações da Petrobras (PETR4) continuam em alta, após a empresa divulgar o balanço do semestre na última sexta-feira (13), depois do fechamento do pregão.
As ações da JBS (JBSS3) caem com a divulgação de queda de 97,1% no lucro líquido do segundo trimestre, em relação ao mesmo período do ano passado.

Em Wall Street, o índice Dow Jones era quase estável, com ligeira alta de 0,01%.

A maior parte das Bolsas de Valores asiáticas fechou em queda, reagindo a dados e fatores locais, como a performance econômica japonesa. Alguns mercados tiveram um dia de alta, focados em um otimismo sobre os rumos da recuperação econômica da China, como Xangai, Hong Kong e Taiwan.

Dados externos

Hoje o mercado deve repercutir que o Produto Interno Bruto (PIB) da China superou no trimestre passado o do Japão em termos nominais, segundo os últimos dados divulgados pelo governo japonês.

O ministro japonês das Finanças, Satoshi Arai, disse que o PIB do país no segundo trimestre se situou em US$ 1,28 trilhão - um pouco abaixo do da China, que foi de US$ 1,33 trilhão.

Os números parciais confirmam a previsão de que a China terminará este ano como a segunda maior economia do mundo, superando a japonesa e atrás apenas da americana.

Balanços

Entre os balanços que devem influenciar o mercado hoje está o da  Petrobras (PETR4). A empresa obteve um lucro de R$ 16,021 bilhões no primeiro semestre do ano, 11% maior que o registrado no mesmo período do ano anterior, informou a estatal na sexta-feira (13) após o fechamento do pregão.

No segundo trimestre, o ritmo de crescimento dos lucros da companhia foi ligeiramente mais baixo e subiu 7% frente ao primeiro trimestre, para R$ 8,295 bilhões.

O Banco do Brasil (BBAS3)registrou lucro líquido de R$ 5,1 bilhões no primeiro semestre de 2010, crescimento de 26,5% em relação ao mesmo período de 2009.

A instituição aponta o aumento do crédito e a queda da inadimplência como os principais fatores que proporcionaram o resultado positivo do período.

Já a JBS (JBSS3), maior produtora mundial de carne, fechou o segundo trimestre deste ano com um lucro líquido de apenas R$ 3,7 milhões, 97,1% a menos do que em igual intervalo de 2009, quando havia registrado ganho de R$ 125,9 milhões, informou a empresa no sábado (14).

Os dados consolidados da JBS no trimestre não incluem os números da Inalca JBS, empresa na qual a brasileira é sócia. A razão para a exclusão é a disputa judicial entre as duas empresas.

Boletim Focus

O mercado reduziu pela segunda semana seguida o prognóstico para o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) neste ano. Segundo o Boletim Focus do Banco Central desta semana, a estimativa passou de 7,12% para 7,09%. A perspectiva para 2011 segue em 4,5%.

O mercado manteve suas expectativas para a alta do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), a “inflação oficial”, neste ano e no próximo em, respectivamente, 5,19% e 4,80%.

Destaques da semana

Nesta semana, a divulgação de diversos indicadores influenciarão as Bolsas de Valores.

Na terça-feira (17) é a vez do IPC da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe) e do IGP-10 da Fundação Getúlio Vargas (FGV).

Nos EUA, além da produção industrial, também serão conhecidos o índice de preços ao produtor e a construção de novas moradias. Já na Europa saem dos índices de sentimento econômico, um da Alemanha e outro da zona do euro.

No Brasil, o mais aguardado é o o Índice de Preços ao Consumidor Amplo - 15 (IPCA) de agosto, que será apresentado na sexta-feira.

(Com informações de Valor, BBC e Reuters)

Hospedagem: UOL Host