Bolsas

Câmbio

Empresa vende acarajé congelado em mercados e fatura R$ 200 mil por mês

Afonso Ferreira
Do UOL, em São Paulo (SP)

As constantes encomendas de acarajé –salgado feito de feijão fradinho moído, cebola, alho e gengibre, frito no azeite de dendê– que os amigos faziam ao baiano Ubiratan Sales, 53, durante suas viagens a negócio para outros Estados, fez o empresário investir na comercialização do quitute congelado para supermercados.

Ele criou a H20 Alimentos, em 2009, e, atualmente, vende o produto nas lojas das redes Sam's Club, em todo o Brasil, e Perini, com maior presença na Bahia. Por mês, a empresa produz, em média, 90 mil unidades do salgado e fatura R$ 200 mil, segundo o empresário.

O acarajé é vendido em embalagens com nove ou 30 unidades, acompanhado de vatapá (creme feito com pão molhado, gengibre, pimenta-malagueta, amendoim, castanha de caju, leite de coco e azeite de dendê), camarão e molho de pimenta em saquinhos fechados a vácuo. 

O preço para o consumidor é de R$ 25, a embalagem menor, e R$ 75, a maior. Há, ainda, a opção de comprar uma embalagem com 500 g, sem acompanhamentos, também por R$ 25. Sales, no entanto, não informa o valor que cobra dos supermercados pelo produto.

A empresa também vende o acarajé sem acompanhamentos para bares, restaurantes e hotéis em caixas com 400 unidades por R$ 400.

A fábrica também comercializa o abará congelado (acarajé cozido envolto em uma folha de bananeira). As embalagens vêm com sete e 20 unidades do produto e custam o mesmo que o pacote do acarajé.

Empresário investiu R$ 150 mil no negócio

Sales diz que precisou de um capital inicial de R$ 150 mil para abrir a fábrica. Segundo ele, na época em que teve a ideia de começar seu próprio negócio, trabalhava como gerente comercial de uma empresa de alimentos congelados.

"Precisava viajar muito, principalmente para Rio de Janeiro e São Paulo, e meus amigos sempre me pediam para levar alguns acarajés para eles experimentarem", afirma.

Sales diz que não conseguia atender aos pedidos dos amigos porque não havia como transportar o acarajé comprado de baianas na rua sem que o produto perdesse sabor e consistência. Foi aí que nasceu a ideia de produzir o quitute congelado para que ele chegasse a outras regiões sem perder qualidade.

"Pedi ajuda para uma nutricionista e para um engenheiro de alimentos. Levamos oito meses até chegar a uma receita que preservasse as características do produto", declara.

O empresário diz, ainda, que a empresa tem dois quiosques para venda do acarajé preparado na hora ou para viagem (em uma caixa de isopor) nos aeroportos de Salvador e Porto Seguro, ambos na Bahia.

Produto é famoso, mas pode ter baixa aceitação fora do Nordeste

Para o professor do MBA da FIA (Fundação Instituto de Administração) Alexssandro Mello, por ser tipicamente brasileiro e nacionalmente conhecido, o acarajé desperta o interesse de consumo por parte do público que não tem a chance de ir frequentemente à Bahia.

No entanto, em algumas regiões fora do Nordeste, a aceitação pode não ser tão alta, pois o produto será encontrado fora de seu contexto. "O acarajé é um produto regional conhecido por ser preparado pelas baianas na rua. No supermercado ele pode não ser tão atrativo para o público", diz.

Além disso, o professor afirma que a distribuição do produto para todo o país necessita de planejamento de logística.

"O transporte da mercadoria para regiões distantes não pode encarecê-la a ponto de o consumidor desistir da compra e, principalmente, a temperatura precisa estar adequada para preservar a qualidade do acarajé."

Serviço:

H20 Alimentos: (71) 3353-0800. Site: www.acarajedabahia.com.br

Notícias relacionadas



Shopping UOL

UOL Cursos Online

Todos os cursos