Brasil pode sofrer menos com recessão nos EUA, dizem analistas

Da Redação
Em São Paulo

O temor de que uma recessão possa acontecer nos Estados Unidos ainda neste ano já traz a preocupação aos países emergentes sobre possíveis respingos da crise.

Entretanto, economistas consultados avaliam que os efeitos sobre o Brasil, por exemplo, podem ser reduzidos por conta do fortalecimento das relações com demais nações em desenvolvimento.

"Hoje o comércio entre os emergentes está crescendo a taxas muito altas e isso independe dos Estados Unidos. Ao mesmo tempo, esse ciclo também pode ser responsável por levantar a economia norte-americana, pois os países em desenvolvimento crescem e começam a demandar mais produtos dos EUA", aponta o professor e pesquisador do Ibmec São Paulo Marcelo Moura.

Uma reportagem publicada pela revista "The Economist" na semana passada defende a tese do descolamento, segundo a qual em alguns países emergentes como o Brasil, China, Rússia e Índia podem continuar crescendo alheios a uma provável recessão na economia americana.

De acordo com a publicação, a teoria é justificada pelo incremento nas relações comerciais entre os emergentes, que têm exportado mais para a China do que para os Estados Unidos.

O artigo alerta, entretanto, que, se a recessão americana ocorrer e provocar queda na produção de commodities, trouxer novas desvalorizações às Bolsas mundiais e o dólar permanecer com tendência de queda, é bem provável que as economias em desenvolvimento, bem como suas exportações, sejam afetadas.

Segundo Moura, os Estados Unidos correspondem a um quarto da economia mundial e, portanto, é preciso uma análise mais profunda sobre o quão forte é este descolamento (se existir) que seja capaz de não contaminar os demais países.

De acordo com a "Economist", as exportações para os EUA correspondem a apenas 8% do PIB da China, 4% do da Índia, 3% do do Brasil e 1% do da Rússia. De 2000 para cá, as vendas dos emergentes para os Estados Unidos passaram de 20% para menos de 15%, enquanto as exportações dos emergentes para a China no mesmo período saltou de 5% para mais de 15%.

"Este comércio fortalecido entre os emergentes faz com que o efeito das crises em economias desenvolvidas seja menor", declara Moura.

(Ana Carolina Lourençon)

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber as principais notícias do dia de graça pelo Facebook Messenger? Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos