Bolsas

Câmbio

Crise mostra efeito devastador sobre economia real e empresas globais

Da Redação

Em São Paulo

A crise financeira cada vez mais mostra efeitos devastadores sobre a economia real. Notícias ruins em série divulgadas somente hoje envolvem diversos setores, como automóveis, agricultura, indústria química, combustíveis e construção civil, e empresas mundialmente famosas, como General Motors, Basf, Nissan e Citigroup.

A área de automóveis é uma das mais afetadas. Representantes das três maiores montadoras dos Estados Unidos pediram na terça-feira ajuda governamental emergencial para evitar um possível colapso. Após horas de um intenso debate, o discurso deles não parece ter convencido suficientemente os legisladores americanos para que se movimentem rapidamente pelo socorro.

As ações da General Motors despencam nesta quarta-feira, cotadas a menos de US$ 3, batendo no nível mais baixo em mais de 60 anos. A causa do mau resultado é justamente a dificuldade do governo americano em aprovar um pacote de ajuda ao setor.

A situação está tão ruim para a GM que um grupo se ofereceu para comprar as quatro fábricas alemãs da montadora Opel, filial da GM, por € 1 bilhão, mas, pelas condições, o negócio sairia "de graça".

Na Espanha, a Acciona, prestadora de serviços de logística e limpeza para a montadora japonesa Nissan, anunciou que vai demitir 322 empregados.

A Toyota, a maior empresa automobilística do mundo, irá parar sua produção em todas as fábricas dos Estados Unidos e Canadá por dois dias em dezembro.

O presidente do grupo italiano Fiat, Luca Cordero di Montezemolo, pediu medidas de apoio ao setor automotivo europeu, para que não fique em desvantagem frente às fábricas americanas.

Outros setores
A construção de imóveis e o número de permissões de construção nos Estados Unidos continuou caindo em outubro, situando-se em seus níveis mais baixos em mais de 48 anos, segundo dados do departamento do Comércio.

Frente à queda da demanda, o gigante da química Basf anunciou um plano mundial de redução de sua produção, o qual prevê o fechamento temporário de 80 fábricas e outras medidas que, no total, afetarão 20 mil empregados.

Até a Opep está perdendo dinheiro. Os integrantes da Organização dos Países Exportadores de Petróleo registraram perdas de cerca de US$ 700 bilhões devido à queda do preço do produto, segundo o presidente do cartel, Chakib Khelil.

Na China, a crise e a conseqüente redução de demanda global estão levando ao fechamento de diferentes fábricas, causando tensão pelo país.

Cerca de 10 mil produtores europeus de tabaco protestaram nesta quarta-feira, em Bruxelas, para exigir que a União Européia (UE) cancele seu programa de corte dos subsídios para o setor.

No Brasil, o governo anunciou que vai liberar até R$ 500 milhões para refinanciamento de dívidas de produtores rurais do Centro-Oeste.

A educação também foi abalada. A Anhanguera Educacional Participações, que atua no segmento de ensino superior, fechou o terceiro trimestre do ano com prejuízo líquido de R$ 5,6 milhões, contrastando com um lucro líquido de R$ 13,7 milhões registrado em igual período do ano passado.

No campo financeiro, o Citigroup decidiu liquidar o fundo de hedge Corporate Special Opportunities (CSO) após ele perder 53% de seu valor no mês passado. Foi a nona vez nos últimos meses que a instituição teve de fechar ou resgatar um fundo em sua unidade de investimento alternativo, informou a edição desta quarta do jornal "Financial Times".

(Com informações de AFP, Efe, Reuters, Valor Online)

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber as principais notícias do dia de graça pelo Facebook Messenger? Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos