Países vão triplicar verba do FMI; G20 quer "reconstruir" sistema financeiro

Da Redação

Em São Paulo

O primeiro-ministro do Reino Unido, Gordon Brown, anunciou, durante discurso e entrevista coletiva no encerramento do encontro do G20 em Londres, que os países decidiram triplicar os recursos para o FMI (Fundo Monetário Internacional), numa tentativa de reanimar a economia global. Segundo ele, será injetado US$ 1 trilhão em dinheiro novo no FMI e no Banco Mundial.

Ele também declarou que os países estão unidos e vão "reconstruir o sistema financeiro internacional". Brown afirmou que as prioridades são gerar empregos, permitir que endividados paguem seus financiamentos de casas e que as empresas consigam sobreviver. O dinheiro virá de EUA, Europa, China, Japão e outros países.


Segundo o primeiro-ministro, o encontro vai permitir uma "ação coletiva, e não uma coleção de ações individuais". Ele afirmou que isso importante para que a economia globalizada volte a funcionar. "Estamos com objetivos comuns". Gordon negou que haja divisões entre os países -segundo analistas, EUA, Europa e países emergentes divergem sobre protecionismo e mais liberdade comercial.

A cúpula do G20 concordou em tentar retomar as negociações sobre a rodada Doha (de liberalização do comércio internacional) na próxima reunião do G8, disse um diplomata da União Europeia nesta quinta-feira.

Segundo o diplomata, o presidente dos EUA, Barack Obama, concordou em agir após pedidos do presidente da Comissão Europeia, José Manuel Barroso, do presidente da França, Nicolas Sarkozy, e da chanceler da Alemanha, Angela Merkel, durante a cúpula.

"Eles convenceram o presidente Obama a tratar sobre Doha na próxima reunião do G8 na Itália, de que participarão além dos países do G20, o Brasil, a Índia e outros", disse o diplomata.

Os líderes do G20, grupo que abrange as principais potências desenvolvidas e alguns países emergentes, estão reunidos desde quarta-feira (1º) em Londres com o objetivo de conciliar suas posições para enfrentar a crise econômica mais grave desde a II Guerra Mundial.

A reunião é um marco da participação de países emergentes, como o Brasil, no centro das discussões e decisões sobre a economia mundial.

20 países, 90% do PIB mundial
Os países que compõem o G20, juntos, representam 90% do Produto Interno Bruto (PIB) mundial e dois terços da população do planeta. O grupo reúne o G8 (Estados Unidos, Japão, Alemanha, França, Reino Unido, Canadá, Itália e Rússia), a União Europeia e mais 11 nações emergentes (Brasil, Argentina, México, China, Índia, Austrália, Indonésia, Arábia Saudita, África do Sul, Coreia do Sul e Turquia).

Na cúpula de Londres, o primeiro-ministro da Espanha, José Luis Rodríguez Zapatero, foi convidado a participar, apesar de seu país não fazer parte do G20.

Ele falará sobre o rígido sistema de regulação financeira local, que garantiu aos bancos espanhois uma menor exposição aos problemas hoje enfrentados pelas principais instituições financeiras do mundo.

O Grupo dos 20 foi criado em 1999, depois das crises que atingiram o Sudeste Asiático e a Rússia. O objetivo era melhorar o diálogo entre os países mais industrializados e os principais emergentes.

(Com informações de AFP, Efe, Reuters e Valor Online)

Receba o Giro UOL por e-mail

Em duas edições diárias, um resumo das notícias mais importantes para começar e terminar o seu dia. É só deixar seu e-mail e pronto!

 

UOL Cursos Online

Todos os cursos