Câmbio ameaça 'desmontar a indústria brasileira', diz CNI

Silvio Guedes Crespo

Da Redação, em São Paulo

A forte queda do dólar em relação ao real pode "desmontar a indústria brasileira" se não houver uma política fiscal que assegure competitividade ao setor, disse nesta sexta-feira o presidente da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Armando de Queiroz Monteiro.

Ele afirmou que, hoje, a indústria nacional está "em um processo de recuperação amplo", mas que pode ser afetado pela forte valorização do real.

Queiroz acrescentou que o setor, ainda que de forma geral se mostre em boa recuperação, apenas os segmentos extrativo e de construção civil estão em situação razoável, enquanto o restante –a chamada indústria de transformação– "vem perdendo importância".

As declarações foram dadas durante seminário realizado pela Febraban (Federação Brasileira de Bancos), em São Paulo.

A senadora Kátia Abreu, presidente da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), endossou a crítica de Queiroz em relação ao câmbio ao dizer que, para a agricultura, a situação pode se tornar "impraticável".

"Temos plantio com dólar alto e colheita com dólar baixo. Os preços caindo, nós admitimos. Mas o dólar caindo junto com os preços, é impraticável", afirmou a senadora.

Ela disse que, para o ano que vem, a previsão é de que "os preços sejam deprimidos", devido ao crescimento esperado de 5% na safra.
 

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber as principais notícias do dia de graça pelo Facebook Messenger? Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos