Bolsas

Câmbio

Economia do governo para pagar juros é a menor desde 2002

Da Agência Brasil

Brasília - O superávit primário, a economia de recursos para pagar os juros da dívida pública, somou R$ 39,2 bilhões em 2009, valor 45% menor que os R$ 71,4 bilhões registrados em 2008 e o menor resultado desde 2002. Os números foram divulgados hoje (27) pelo Tesouro Nacional. Pela primeira vez, o governo usou o mecanismo do Projeto Piloto de Investimentos (PPI) para atingir a meta de esforço fiscal.

Os números  de hoje refletem o desempenho de caixa conjunto do Tesouro Nacional, Previdência Social e Banco Central (BC). Amanhã, será divulgado o resultado geral, composto por União, Estados, municípios e estatais.

 

O resultado leva em conta as receitas e despesas do Governo Central – Tesouro Nacional, Previdência Social e Banco Central (BC). Se também forem levados em conta os critérios do BC, que usa outra metodologia para calcular o esforço fiscal, o superávit primário somou R$ 42,3 bilhões no ano passado, pouco abaixo da meta de R$ 42,7 bilhões.

Os R$ 400 milhões de diferença foram abatidos da meta usando a margem de R$ 17,9 bilhões de investimentos do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC). Em setembro do ano passado, o Congresso Nacional aprovou uma medida provisória que ampliou o abatimento de recursos gastos em obras de infraestrutura e saneamento.

Por causa da crise econômica, que reduziu a arrecadação e resultou em aumento de despesas públicas, o governo decidiu reduzir o superávit primário no ano passado. A receita líquida cresceu 4,8% em 2009, contra aumento de 15% nas despesas.

O crescimento das despesas foi puxado principalmente pelos investimentos, que somaram R$ 34,137 bilhões no ano passado, valor 20,8% maior que o de 2008. Os gastos com custeio (manutenção da máquina pública) subiram 14,2% e as despesas com o pagamento do funcionalismo público aumentaram 15,9%.

Para não usar um valor significativo da margem de abatimento do PAC, o governo federal recorreu a manobras fiscais para aumentar as receitas nos últimos meses do ano. O dinheiro veio de depósitos judiciais e extrajudiciais repassados pela Caixa Econômica Federal ao Tesouro, dos lucros de empresas estatais e do parcelamento de impostos que reforçou o caixa da Receita Federal no segundo semestre.

Por causa dessas operações, o Governo Central registrou superávit de R$ 1,7 bilhão em dezembro. Pela primeira vez desde 2002, o resultado ficou positivo no mês, que costuma registrar déficit primário por causa do aumento de gastos no fim do ano.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber as principais notícias do dia de graça pelo Facebook Messenger? Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos