Bolsas

Câmbio

Aposentados que recebem acima do mínimo têm ganho real de 26,8% em 15 anos

Da Redação, em São Paulo

Apesar do reajuste de 7,72% dado aos aposentados e pensionistas que recebem mais de um salário mínimo, o ganho real acumulado nos últimos 15 anos por esses beneficiários foi muito inferior ao dos que recebem a aposentadoria mínima.

Na última terça-feira (16), o presidente Luiz Inácio Lula da Silva vetou o fim do fator previdenciário e sancionou o reajuste de 7,72%.

Segundo dados da Previdência Social, nos último 15 anos, os beneficiários que recebem acima de um salário mínimo tiveram um reajuste real – descontada a inflação medida pelo INPC (Índice Nacional de Preços ao Consumidor) – de 26,8%, já considerando o aumento de 7,72%.

Veja com ficam as aposentadorias depois do reajuste

Caso tivesse sido mantido o percentual de 6,14%, o ganho real desses beneficiários em 15 anos seria de 25,25%.

Enquanto isso, os aposentados com benefícios de um salário mínimo (hoje fixado em R$ 510) tiveram um reajuste real de 121,76% desde 1995.

Acima do mínimo

De acordo com os dados da Previdência, das 27,3 milhões de aposentadorias pagas, 8,3 milhões pessoas recebem um valor superior ao salário mínimo, o que representa 30,14% do total.

O valor médio dos benefícios pagos pelo INSS (Instituto Nacional do Seguro Social) é de R$ 684,39.

Reajuste

No começo do ano, os aposentados que ganham acima do mínimo receberam um reajuste de 6,14%, por força de uma medida provisória que, ao passar pelo Congresso Nacional e pelo presidente, foi modificada para um percentual de 7,7%.

De acordo com o especialista em Finanças Públicas, Amir Khair, a Constituição garante a correção monetária para quem ganha acima do mínimo, e o índice usado variou desde o IGP (Índice Geral de Preços) até o INPC, normalmente usado hoje.

"Se fosse o INPC, seria menos do que os 6,14%, que foi um acordo que houve entre o governo e as centrais sindicais. Depois, o Congresso, por questão política, resolveu ampliar para 7,7%. Agora, quando se dá aumento de 7,7%, esse dinheiro não vai ficar debaixo do travesseiro. As pessoas vão usar para consumir e transformar uma parte substancial dele em tributos", afirmou ao Infomoney.

(Com informações do Infomoney)

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber as principais notícias do dia de graça pelo Facebook Messenger? Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos