Bolsas

Câmbio

Desemprego é o menor para o mês de julho desde 2002, aponta IBGE

Da Redação, em São Paulo

A taxa de desemprego no Brasil caiu para 6,9% em julho, registrando o menor índice desde dezembro do ano passado e o menor para um mês de julho desde o início da série histórica em 2002.

O desemprego registrado também configura a segunda menor leitura da série histórica, ficando atrás apenas do observado em dezembro de 2008 e 2009 (6,8%).

Em junho, o índice ficou em 7% e, em julho de 2009, o desemprego atingiu 8%.

"Já atingir a segunda taxa mais baixa é um fato quase inédito. A tendência é que a taxa venha caindo no segundo semestre. Quanto mais perto de dezembro, mais baixa vai ser", disse o economista do IBGE Cimar Pereira Azeredo.

A população ocupada somou 22,020 milhões de pessoas em julho, alta de 0,6% sobre junho e avanço de 3,2% na comparação com igual mês do ano passado.

O número de desocupados totalizou 1,644 milhão, queda de 0,2% na comparação com junho e recuo de 11,3% na comparação com igual mês de 2009.

Entre junho e julho o emprego com carteira cresceu de forma expressiva e a indústria voltou a contratar em bom número. A indústria de São Paulo foi o destaque com um aumento no contingente de empregados industriais de 4,1%, melhor desempenho desde agosto de 2008. Na comparação com julho do ano passado, a expansão foi de 7,4%.

"A indústria foi muito penalizada pela crise e perdeu funcionários de chão de fábrica. O resultado mostra o vigor do setor", disse Azeredo.

O rendimento médio do trabalhador brasileiro foi de R$ 1.452,50 em julho, alta de 2,2% na comparação com o mês anterior e elevação de 5,1% ante o mesmo mês do ano anterior.

"O ganho do rendimento vem da melhora no mercado de trabalho, aumento da carteira assinada, aumento de vagas na indústria e oportunidades mais qualificadas", disse Azeredo.

Na média do ano, o rendimento médio do trabalhador tem um crescimento de 2,1% frente ao mesmo período de 2009.

Diferentes índices

Diferentes levantamentos medem o desemprego no país. Os números do IBGE, por exemplo, são bem menores que os do Dieese/Seade. Este último, por exemplo, divulgou ontem que a taxa de desemprego em sete regiões metropolitanas pesquisadas caiu de 12,7% em junho para 12,4% em julho. A pesquisa considera vagas com e sem carteira assinada.

As divergências ocorrem por causa das metodologias diferentes adotadas. A principal delas é que o IBGE mede apenas o desemprego aberto, ou seja, quem procurou emprego nos 30 dias anteriores à pesquisa e não exerceu nenhum tipo de trabalho -remunerado ou não- nos últimos sete dias.

Quem não procurou emprego ou fez algum bico na semana anterior à pesquisa não conta como desempregado para o IBGE.

O Seade/Dieese também consideram o desemprego oculto pelo trabalho precário (pessoas que realizaram algum tipo de atividade nos 30 dias anteriores à pesquisa e buscaram emprego nos últimos 12 meses) e o desemprego oculto pelo desalento (quem não trabalhou nem procurou trabalho nos últimos 30 dias, mas tentou nos últimos 12 meses).

(Com informações da Reuters)

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber as principais notícias do dia de graça pelo Facebook Messenger? Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos