Bolsas

Câmbio

Grandes redes criam academias de baixo custo; preços vão de R$ 49 a R$ 180

Aiana Freitas

Especial para o UOL Economia, em São Paulo

Grandes redes de academias, acostumadas a atender ao público de alta renda, estão investindo em unidades mais compactas e mais baratas.

As academias de baixo custo oferecem basicamente equipamentos para a prática de musculação, além de esteiras e bicicletas, e têm mensalidades que partem de R$ 49.

O grupo Bodytech vai abrir, no primeiro trimestre de 2012, duas unidades da Fórmula em São Paulo –uma própria, na zona sul da cidade, e outra por meio de franquia, em bairro ainda a ser definido.

O valor da mensalidade varia de R$ 89 a R$ 180. Para efeito de comparação, nas unidades da Bodytech o preço médio é de R$ 300.

O diretor-executivo da rede Fórmula, Mário Esses, diz que as unidades da Fórmula têm entre 400 m² e 800 m² e oferecem o que uma academia tradicional de bairro costuma ter: bicicletas, esteiras e equipamentos para exercícios de musculação, além de algumas aulas coletivas, como a de spinning.

Apesar de possuírem equipamentos semelhantes, têm uma estrutura bem diferente das academias Bodytech, que chegam a se espalhar por 4.000 m² de área e se assemelham a um clube, com piscinas, aulas de dança e lutas e atendimento ao público infantil.

"A ideia é oferecer uma opção para um público que quer mais conveniência por um bom custo-benefício", diz Esses.

O diretor da Fórmula afirma que a expectativa é levar para a academia uma parte da população que não tinha acesso a bons serviços ou por causa do preço ou porque não encontrava uma boa opção perto de casa. 

Duas unidades já estão em operação no Rio de Janeiro e outras duas serão abertas na cidade no ano que vem. Campinas, no interior paulista, também vai sediar duas academias.

Esteira e bicicleta ergométrica

A rede Smart Fit foi criada por outro grande grupo, o Bio Ritmo, em 2009, de olho também no público que quer fazer musculação e exercícios na esteira e na bicicleta ergométrica. Já conta com 26 unidades espalhadas pelo país e mais dez serão abertas até o fim do ano. Os valores das mensalidades vão de R$ 49 a R$ 69.

A maioria das unidades funciona em bairros de classe AB, como a Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro. Mas já existem unidades em funcionamento também em bairros de classe média e em cidades do interior. Ceilândia, cidade-satélite do Distrito Federal, sedia uma unidade com foco na classe C.

"O aumento da renda do brasileiro nos últimos anos foi destinado a consumo, e isso é bom para o setor", diz Edgard Corona, fundador e presidente do Grupo Bio Ritmo.

Setor tem grande potencial de crescimento

A estratégia das empresas é baseada nos números do setor, que mostram que ainda há grande potencial de crescimento no país. Existem hoje, no Brasil, 18.195 academias, segundo os dados da associação que representa o setor. O número só é superado pelo dos Estados Unidos, onde existem 38 mil estabelecimentos.

A quantidade de alunos, porém, ainda é relativamente pequena: com 190 milhões de habitantes, o Brasil tem apenas 5,4 milhões de pessoas frequentando academias. É praticamente o mesmo número de alunos do Canadá, que tem uma população de 35 milhões de pessoas.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber as principais notícias do dia de graça pelo Facebook Messenger? Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos