Bolsas

Câmbio

Repsol dá como certa nacionalização da petroleira YPF na Argentina

Do UOL, em São Paulo

A petroleira espanhola Repsol já dá como certa a nacionalização da YPF e, em algumas semanas, vai desenvolver um plano estratégico para suas atividades sem considerar as operações de sua filial argentina.

O governo argentino decidiu nacionalizar parte da petroleira YPF, filial do grupo espanhol Repsol, acusando a empresa de não cumprir os compromissos de investimentos no país. A decisão azedou as relações diplomáticas entre Argentina e Espanha, apoiada pela União Europeia.

A presidente Cristina Kirchner enviou na segunda-feira (16) um projeto de lei ao Congresso declarando 51% da YPF de utilidade pública. Atualmente, a espanhola Repsol controla 57,4% do capital da YPF.

"A expropriação ilegal de YPF não afeta o potencial de crescimento de todas as empresas fora da Argentina Repsol", disse o presidente da companhia da Espanha, Antonio Brufau, após uma entrevista coletiva de mais de duas horas. 

"Vamos apresentar um plano estratégico no final de maio, para coincidir com a reunião geral (...) para nós YPF é uma conta a receber", disse Brufau. 

A Repsol informou que pedirá mais de US$ 9 bilhões à Argentina pela expropriação de 51% de sua unidade YPF.

A Argentina não vai pagar o valor que a companhia espanhola está pedindo, disse o vice-ministro da economia argentino, Axel Kicilliof, nesta terça-feira. 

 
Cristina Kirchner conseguiu vencer a resistência interna de vários governadores sobre a desapropriação da YPF ao anunciar que, das ações desapropriadas, 49% serão de responsabilidade das províncias (Estados) onde a empresa atua. O governo federal ficará com 26,06% e as regiões produtoras, com 24,99%.
 
A Repsol YPF rejeita o argumento oficial e diz que em 2012 previa investir 15 bilhões de pesos (US$ 3,4 bilhões). O presidente, Antonio Brufau, disse que vai recorrer à arbitragem internacional e exigirá uma compensação pelas ações expropriadas em torno de US$ 18,3 bilhões.
 
Segundo o projeto de lei, a avaliação da companhia ficará a cargo do Tribunal de Taxação, mas não explica de onde sairão os fundos para o pagamento das ações expropriadas.

 

Queda de braços

O governo e as províncias produtoras de petróleo acusam a YPF de não cumprir compromissos de investimento e dizem que isso obriga o país a importar grandes volumes de hidrocarbonetos.

Um documento das províncias produtoras divulgado este ano diz que "a queda da produção de todas as empresas de gás e petróleo foi de 11% e 18%, respectivamente". No caso da Repsol-YPF, a redução teria sido "entre 30%-35% de sua produção de petróleo nos últimos anos e de mais de 40% da de gás".

A petroleira negou a falta de investimentos e disse que realizará "os maiores investimentos da história da empresa em 2012", da ordem de 15 bilhões de pesos (US$ 3,4 bilhões).

Seis províncias argentinas já haviam retirado da companhia a concessão sobre 16 áreas de exploração.

A Repsol disse que pediu o diálogo com o governo argentino para resolver o futuro da empresa, mas que não teve resposta.

Repsol YPF é líder no mercado de combustíveis na Argentina

A Repsol-YPF é o maior produtor local de hidrocarbonetos e líder do mercado de combustíveis, com 54% do refino. Sua filial YPF, privatizada nos anos 1990, controla 52% da capacidade de refinamento da Argentina e dispõe de uma rede de 1.600 estações de serviços.

A filial argentina representa dois terços da produção de petróleo da Repsol (62%) e quase a metade de suas reservas (1 bilhão de barris de um total de 2,2 bilhões).

(Com informações das agências de notícias)

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber as principais notícias do dia de graça pelo Facebook Messenger? Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos