Brasil tem o quinto 'Big Mac' mais caro do mundo

Do UOL, em São Paulo

  • Divulgação

O Brasil ocupa a quinta posição no índice Big Mac, que compara o preço do sanduíche em diversos países para mostrar a valorização de cada moeda. Segundo a autora da pesquisa, a revista britânica 'The Economist', o Brasil fica atrás apenas de Venezuela, Noruega, Suécia e Suíça.

Isso significa que o real está mais valorizado do que todas as outras moedas pesquisadas, com exceção do bolívar, da coroa norueguesa, da coroa sueca e do franco suíço.

O preço do sanduíche nos Estados Unidos (US$ 4,37) é usado como "curinga" pelos pesquisadores. Se um sanduíche em determinado país é mais caro do que esse valor, a moeda está valorizada em relação ao dólar. Caso contrário, se o sanduíche for mais barato do que nos EUA, a moeda está desvalorizada.

Segundo os dados da pesquisa, um chinês compra um sanduíche por US$ 2,57, enquanto o brasileiro paga US$ 5,64.

A revista "The Economist" mede o valor das moedas em todo o mundo usando o famoso sanduíche como padrão. O Índice Big Mac foi criado para explicar um conceito econômico chamado paridade de poder de consumo, o conceito de que um dólar deveria comprar a mesma quantidade de um país para o outro. Se houvesse paridade, o preço de um produto --nesse caso um Big Mac-- deveria ser o mesmo em todo o mundo.

O Big Mac é vendido em mais de 100 países, em mais de 80% das 32 mil lojas do McDonald's no mundo. Franquias de poucos países rejeitam o produto por motivos culturais ou religiosos.

 

Notícias relacionadas



Shopping UOL

UOL Cursos Online

Todos os cursos