UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

24/06/2009 - 10h50

Emprego está difícil? Cuidado com os cinco pecados capitais da recolocação

SÃO PAULO - Encontrar uma nova recolocação no mercado de trabalho pode se tornar uma verdadeira saga para diversos profissionais, sobretudo em tempos de crise, onde as empresas costumam contratar menos. Diante desse cenário, as pessoas qualificadas tendem a encontrar um emprego com mais facilidade.

Entretanto, mesmo para esses profissionais que possuem formação teórica e experiência no mercado essa nova oportunidade pode não acontecer. Surge então a dúvida: onde está o erro? Para desvendar esse mistério, o especialista em gestão estratégica de pessoas e diretor-geral da Laerte Cordeiro Consultores em Recursos Humanos, Laerte Leite Cordeiro, aponta os cinco pecados capitais que podem dificultar uma recolocação.

Falta de foco

O primeiro pecado na busca por uma nova oportunidade de trabalho segundo Cordeiro é procurar um novo emprego sem um foco definido. "Há um grande número de casos de profissionais cujo objetivo de busca de emprego não está claro e tem-se a impressão de que o recolocando não se sabe bem o que quer ou, pior do que isso, que concorre a tudo ao mesmo tempo, sem que, para os selecionadores das empresas, fique evidente o emprego pretendido e a melhor contribuição a esperar".

Para evitar esse equívoco, o especialista destaca que o profissional antes de sair em busca de um emprego deve definir com muita clareza qual é o foco que ele almeja, qual o cargo que ele pretende conseguir, em que ramo de atuação, onde e com que remuneração.

Currículo

O segundo equívoco fatal para quem quer conseguir um novo emprego é apresentar um currículo de forma inadequada. "Um currículo em papel colorido, em tamanhos diferentes do A-4, impresso em letras coloridas, com mais de duas páginas, não tem a forma que o mercado quer. Além disso, um currículo que não define claramente o foco da busca do candidato, que não oferece informações profissionais e pessoais que o selecionador precisa para sua avaliação, que contenha dados incorretos ou que busque enganar quanto aos fatos descritos é, certamente, um mau currículo", destaca Cordeiro.

Um currículo sem a idade ou datas que possam comprometer o candidato, por exemplo, aqueles profissionais que passaram dos 45 anos de idade e omitem essa informação com medo que esse seja um critério desqualificativo ou com as razões das saídas de empresas anteriores, são os erros mais comuns na elaboração de um currículo.

Entrevista

Passando da fase do currículo pode surgir então o terceiro pecado capital a falta de preparação dos candidatos a emprego para enfrentar as entrevistas dos processos seletivos.

"Falar demais ou falar de menos incomodam os recrutadores, o chegar atrasado é imperdoável, a falta de higiene pessoal é eliminatória, o não saber expor a história profissional é inaceitável, o debruçar-se sobre a mesa do entrevistador não ajuda nada, o entrar mudo e sair calado é deplorável e o contar detalhes não pedidos é problema".

Uma forma de evitar esses equívocos é o candidato a uma vaga conhecer bem o seu currículo e se possível ter informações sobre a empresa em que fará a entrevista.

Má divulgação

Depois de ter um foco, um currículo adequado para o mercado e saber como lidar com as entrevistas do processo seletivo, um tropeço que pode acontecer para o profissional e atrapalhar a sua recolocação é uma má divulgação do seu currículo.

"O ponto de partida é se imaginar como qualquer empresa procede quando pretende contratar alguém. A lista de ações é bem conhecida: anúncios de jornais e revistas, utilização de headhunters (caça-talentos), pesquisa nos cadastros de empresas de recolocação, uso dos bancos de vagas de empresas especializadas, utilização do network (rede de contatos pessoais) para recebimento de indicações e recomendações e, obviamente, a consulta aos próprios cadastros internos", indica Cordeiro.

Plano de contingência

Para finalizar, o especialista ressalta que o profissional depois de tomar todos esses cuidados não deve ficar em casa esperando o telefone tocar com uma oportunidade de recolocação no mercado.

"O candidato deve desenvolver um plano de contingência que o ajude a manter a sua autoestima e, por que não, faturar algum enquanto o novo emprego não vem. Aceitar a situação de desempregado e habitar uma "zona de conforto" é um pecado para a recolocação".

Compartilhe:

    Hospedagem: UOL Host