UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

21/08/2009 - 08h50

Fazer parte de uma panelinha também tem lado positivo e pode aumentar produtividade

SÃO PAULO - As panelinhas nem sempre são bem-vistas nas empresas. Muitas vezes, esse grupo de amigos é tido como ameaçador. Os colegas pensam que eles se reúnem para fazer fofocas e que podem prejudicar os demais. Porém, isso nem sempre corresponde à realidade e a panelinha também tem o seu lado positivo.

"O indivíduo não consegue viver sozinho, necessita fazer parte de um grupo com o qual se identifica. É pela afinidade entre os membros que as panelinhas acabam fortalecendo o trabalho", afirma a coach Claudia Watanabe, da Sociedade Brasileira de Coaching.

Incentivando as amizades

A coach também lembra que um profissional que trabalha isolado muitas vezes tem um desempenho pior do que o apresentado por aqueles que fazem parte de um grupo de amigos na empresa. "Às vezes, uma pessoa não consegue produzir mais por estar sozinha. Embora isso dependa mais do perfil dela, já que tem gente que trabalha melhor isolada", ressalta.

De olho nessa maior produtividade proporcionada pelas panelinhas e amizades entre os funcionários, há empresas que estão incentivando a integração dos funcionários fora do ambiente de trabalho. Segundo Claudia, esse incentivo é feito por meio de happy hours, excursões, eventos e até mesmo treinamentos na própria companhia.

Outro lado positivo das panelinhas, segundo a coach, é o fato de que a integração e amizade entre os funcionários geram mais sensibilidade e motivação para ajudar o próximo e resolver problemas na execução de tarefas no dia-a-dia. "Às vezes, é conversando com a pessoa fora do ambiente de trabalho que é possível identificar porque ela está com dificuldades em executar alguma atividade", explica.

Novo funcionário

Ao começar em um novo emprego, muitas pessoas já encontram os grupos de amigos formados e se enturmar com eles pode ser fundamental. A dica de Claudia para o novo funcionário é observar os colegas e contribuir de forma participativa, mas não arrogante.

"No primeiro momento, a acolhida pode ser fria, mas se a pessoa se envolver e participar com humildade e simplicidade, será bem recebida pelas pessoas", explica.

Mas ela também lembra que a empresa e os líderes têm um papel fundamental no envolvimento do novo colaborador. "O líder tem de apresentar todas as pessoas, promover a integração e fazer com que a pessoa já se sinta parte da equipe", diz.

Sem lado ruim

Como já foi mencionado, as panelinhas podem ser vistas com receio pelas outras pessoas. Mas se o grupo não tem intenção de falar mal de outras pessoas e da empresa, e muito menos prejudicar alguém, é possível tirar essa imagem ruim.

"A única forma de mostrar que o grupo não quer prejudicar outro funcionário é se integrando. Tem de chamar para conversar, tomar um café ou almoçar. O grupo não pode é se fechar", indica a coach.

Compartilhe:

    Hospedagem: UOL Host