UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

 

10/09/2009 - 15h51

Brasil tem a maior expectativa de contratações entre países das Américas

SÃO PAULO - Parece que o pior momento da crise econômica mundial já passou no Brasil. Prova disso é que os empresários do País têm a maior expectativa de contratações, entre os países das Américas, para o quarto trimestre do ano.

No Brasil, o índice que mede a expectativa de emprego é de 21%, segundo pesquisa da Manpower. Para chegar ao resultado, foi calculada a diferença entre o percentual dos empresários que acreditam no aumento do número de contratações (30%) e aqueles que afirmaram queda nas oportunidades de emprego (9%) para o quarto trimestre. A pesquisa, feita com 72.038 gerentes e diretores de Recursos Humanos de 35 países, foi realizada durante o terceiro trimestre deste ano.

"Durante o período de crise econômica, o governo brasileiro conseguiu acumular reservas por conta de uma política focada na responsabilidade fiscal e em medidas anticíclicas, o que deu subsídios para que o Brasil conquistasse uma posição de destaque no mercado de trabalho latino-americano e mundial", avalia o diretor comercial da Manpower Brasil, Pedro Guimarães.

Guimarães destaca ainda que a queda da Selic (taxa básica de juro) nos últimos meses, além das isenções fiscais para a indústria automotiva, de eletrodomésticos da linha branca (fogões, geladeiras), materiais de construção e bens de capital (máquinas e equipamentos para produção), foram algumas medidas que contribuíram para o aumento na demanda de profissionais.

Estados e setores

Na análise dos quatro estados brasileiros pesquisados, os empresários do Rio de Janeiro são os que registram o maior índice de confiança com relação a novas contratações no quarto trimestre do ano (25%). No Paraná, o índice é de 23%. O estado de São Paulo, por sua vez, registra índice de 21%, enquanto na capital ele é de 17%. Em Minas Gerais, o índice é de 20%.

Com relação aos setores, Serviços é o mais otimista em relação a novas contratações no quarto trimestre do ano (33%). Depois, aparecem os empregadores da área de Finanças (31%), Transportes e Serviços Públicos (22%), Administração Pública (22%) e Comércio (21%).

O índice da Agricultura, Pesca e Mineração é de 20%. Já a Indústria e a Construção Civil registram os menores percentuais, de 17% e 7%, respectivamente.

Outros países

Entre os países pesquisados, a Índia foi a mais otimista, com o maior índice de expectativa de emprego (34%). Dos oito países consultados na Ásia e na Oceania, sete acreditam em novas contratações para o último trimestre, entre eles Taiwan (17%), Cingapura (14%) e China (11%). Por outro lado, somente o Japão afirma que haverá reduções nas contratações (-4%).

Essa onda de pessimismo japonesa também é constatada na maioria dos países da Europa. Os romenos e russos são os que mais acreditam na redução de contratações do último trimestre (-11%), seguidos pelos irlandeses (-10%). Em contrapartida, os poloneses (5%) e os suecos (3%) são os mais otimistas da região, acreditando em contratações nos próximos meses do ano.

Na América, por sua vez, os colombianos registram índice de 13% de contratações para o quarto trimestre. Em seguida, aparecem os peruanos (9%), os costarriquenhos (6%), os canadenses (5%) e os argentinos (3%). Por outro lado, para os norte-americanos e para os mexicanos, haverá queda nas contratações, de -3% e -5%, respectivamente.

Retenção de talentos

Segundo a Manpower, a elaboração de estratégias e políticas de retenção de talentos, com a retomada do crescimento econômico, será fundamental para garantir competitividade entre as empresas.

"Quando os empregadores não encontram funcionários no perfil desejado disponíveis no mercado, vão buscar imediatamente em seus concorrentes. Sem uma ação de retenção de talentos sólida, a companhia pode perder um colaborador-chave para o sucesso dos negócios. A tendência é que as corporações retomem os investimentos em capital humano com a melhora da economia", finaliza Guimarães

Compartilhe:

    Hospedagem: UOL Host