UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

 

14/01/2010 - 08h50

Executivos de bancos tiveram redução de bônus e aumento de salário

SÃO PAULO – Muitos bancos mudaram seus programas de incentivos, aumentando a remuneração e diminuindo os incentivos de curto prazo dos executivos, em compensação à ajuda recebida pelo governo na crise. 

De acordo com o estudo realizado pela Mercer, 80% dos entrevistados afirmaram que fizeram ou planejam fazer alterações nos bônus anuais e nos incentivos de curto prazo.

Segundo o diretor-sócio mundial da Mercer, Vicki Elliott, os planos estão com um foco maior na medição de desempenho, ajustados ao risco. 

Responsabilizados pela crise econômica

Os bancos foram responsabilizados pela crise econômica mundial ao incentivarem recompensas excessivas a ações de riscos e apoiarem uma cultura de curto prazo.

Para evitar que esta situação se repita, 68% das empresas entrevistadas introduziram classificações de desempenho para medir o sucesso dos negócios, além de critérios de desempenho financeiro.

O levantamento destacou também que 41% das instituições financeiras limitaram de maneira significativa ou eliminaram garantia de bônus anuais para executivos, enquanto 64% promoveram o mesmo para garantias de bônus multi-anuais.

Limite de bônus

Em relação ao limite de bônus, 57% disseram que tinham tetos ou limitaram e 42% não tinham compromissos de pagamentos para executivos que foram demitidos.

Para 60% dos bancos americanos, a medida de corte de incentivos foi adotada, já nas instituições financeiras da Europa, o índice foi de 35%.

Sobre a pesquisa

Mais da metade (58%) das instituições financeiras entrevistadas é da América do Norte e 42% são da Europa. Entre as organizações, 56% empregam mais de 10 mil colaboradores. Os dados foram coletados em outubro de 2009.

Compartilhe:

    Hospedagem: UOL Host