UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

 

05/03/2010 - 17h15

Profissionais hiperativos enfrentam mais dificuldades no trabalho, diz especialista

SÃO PAULO – Profissionais que são desatentos, impulsivos, inquietos, que cometem muitos erros, que não conseguem se lembrar de seus afazeres nem se concentrar podem sofrer de um transtorno neurobiológico difícil de ser diagnosticado na vida adulta: o TDAH (Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade).

Segundo a médica e psicanalista Soraya Hissa de Carvalho, os sintomas de hiperatividade ou o TDAH devem ser observados ainda na infância e acompanhados por um especialista. Dessa maneira, evitará que a pessoa tenha dificuldades em sua vida profissional.

“A criança hiperativa não consegue se concentrar, por isso o rendimento escolar é baixo. Isso dificultará a sua entrada no mercado de trabalho, a sua permanência no emprego e a possibilidade de conquistar cargos elevados”, explica Soraya.

A médica afirma ainda que esses profissionais têm maior incidência de desemprego, maior rotatividade nas empresas, maior índice de acidentes causados pela desatenção, além de terem maior disposição para abuso de álcool e drogas.

Ambiente corporativo

Pessoas hiperativas podem não ser bem vistas no ambiente corporativo, pois podem parecer irresponsáveis e desleixadas.

“Existe um preconceito muito grande com esse profissional por falta de conhecimento do distúrbio. Por eles não conseguirem fazer um planejamento, perder informações e dados importantes e esquecerem as coisas, são julgados como irresponsáveis. Além disso, podem ser considerados intrometidos, pois não conseguem aguardar a sua vez”, declara Soraya.

Devido às dificuldades na vida pessoal e profissional, as pessoas hiperativas podem ser inseguras e ter baixa auto-confiança, características que podem desencadear outras patologias, como depressão, transtorno de ansiedade e agressividade.

Sobre o TDHA

O TDHA pode ser desenvolvido devido à herança genética ou ser influenciado pelo meio em que a criança vive. O distúrbio é mais comum em homens do que em mulheres, com a proporção de três para um.

O  meio pode ser agente favorecedor do desenvolvimento do transtorno quando a criança é influenciada a fazer muitas atividades ao mesmo tempo ou quando ela é muito criticada por ser desatenta. 

A forma de tratamento do transtorno é por medicamentos, que devem ser indicados por um especialista. “O tratamento bem feito dá excelentes resultados, já que aumenta a potencialidade do indivíduo e consequentemente sua qualidade de vida”, finaliza Soraya.

Compartilhe:

    Hospedagem: UOL Host