UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

 

24/05/2010 - 15h52

Muito além de um clique: como ter sucesso no recrutamento virtual!

SÃO PAULO – O termo Web 2.0 provém da troca de informações e da colaboração dos usuários on-line em sites e serviços virtuais. Inseridos nesse universo, estão os recrutadores de RH (recursos humanos), que engrossam o grupo de buscas pelos talentos na rede.

Trata-se de um árduo trabalho. Escolher o profissional exato para a função que se procura demanda tempo, estratégia e, talvez, um pouco de sorte, sobretudo na hora de traçar o perfil de um executivo em meio a tantos outros candidatos.

As quatro redes de relacionamento mais influentes em termos globais são: Facebook (com 400 milhões de usuários), Twitter (com 75 milhões de usuários), Orkut (com mais de 80 milhões de usuários) e o Linkedin (com mais de 24 milhões de usuários).

Empresas e candidatos não faltam. Mas como utilizar de forma relevante as redes sociais para atrair profissionais e divulgar a marca da companhia na rede?

O caminho além do mouse

Para a psicóloga e analista de RH Natasha Geraldo, no recrutamento 2.0, para ter sucesso, o empregador precisa: conhecer bem o público, ou seja, os candidatos; participar de comunidades relevantes de discussão; identificar talentos com base em conhecimentos demonstrados; contribuir com as discussões para gerar credibilidade; oferecer valor agregado pelo compartilhamento de informações de interesse e levar conteúdo relevante ao público.

No entanto, explica Natasha, essas ações não surtirão efeito se o trabalho com as mídias sociais não for contínuo e ativo para a manutenção da rede.

De acordo com a psicóloga e analista de RH, o recrutador deve-se ater a três caminhos fundamentais para o sucesso nas buscas, sendo eles escutar, envolver e compartilhar. Seriam como pontos vitais para localizar e atrair aquele candidato, que, em uma procura corriqueira, passaria despercebido.

Os sentidos que um recrutador de sucesso na Web precisa ter

Não adianta intensificar os trabalhos de recrutamento pela internet, sem antes definir uma estratégia.

“É necessário saber quais são as principais demandas do público, onde estão, e o que os motiva. Só assim você poderá publicar informações que sejam relevantes”, explica. “Tem de pensar em uma ação diferente a partir da observação do público e qual objetivo deve ser alcançado”.

Conforme explicou Natasha, o recrutador terá de encontrar as comunidades certas e utilizar ferramentas para rastrear citações da marca que sejam relevantes. Ao passo que este trabalho estiver um pouco mais maduro, ele deverá identificar as pessoas que demonstrem expertise, tirando proveito das discussões realizadas na rede.

Envolva-se, compartilhe!

A analista sustenta que, para atingir o foco dentro da internet, o buscador deve interagir de forma personalizada e relevante. “A personalização denota que não é um robô que está do outro lado com respostas automáticas, o que sugere o interesse genuíno de desenvolver um relacionamento”.

Outra tendência a ser seguida, analisa Natasha, é o conteúdo das publicações da companhia na Web. Segundo ela, aqueles que se interessarem pelo teor das divulgações tendem a estar mais alinhados com a cultura da empresa. Essas veiculações podem ser verificadas como um projeto, dicas de eventos ou artigos e até apresentações sobre soluções de problemas.

Ao entrar em uma esfera de maior ênfase no relacionamento, a dica é solicitar feedback e comentários. “Faça com que seja fácil contatá-lo diretamente”.

Para ela, as vantagens dessa abertura é que as informações passadas serão corretas e não boatos. A ideia não é abrir a estratégia de contratação, mas prover o candidato com mais informações de forma a atraí-lo e encantá-lo com a organização.

Os tops da rede

Para alcançar seus objetivos e atrair de maneira consistente os talentos na era da Web 2.0, três empresas representam bem a fórmula do recrutador de sucesso pela internet.

É o caso da Zappos, da Microsoft e da Deloitte. O primeiro exemplo é o Twitter da Zappos, empresa de vendas de calçados on-line recentemente comprada pela Amazon. Os diretores da companhia estimulam que seus funcionários criem uma conta oficial no microblog, e, assim, divulguem a marca da empresa pela Web, inclusive auxiliando clientes.

Os funcionários com o maior número de seguidores recebem algum tipo de reconhecimento em relação a isso, além de figurarem no topo da página da empresa.

Já o blog da Microsoft publica dicas e informações sobre a companhia. No canal, ainda podem ser encontradas orientações sobre como elaborar um currículo e como é realizada a entrevista de seleção pelos recrutadores. Em relação à Deloitte, existe uma série de podcasts que trazem informações sobre a empresa e suas ações no mercado.

Compartilhe:

    Hospedagem: UOL Host