UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

 

15/06/2010 - 08h44

Jogo da seleção na hora do expediente: 10 exemplos de como "não" agir na ocasião!

SÃO PAULO – A Copa do Mundo começa realmente para os brasileiros nesta terça-feira (15), dia que a seleção verde e amarela enfrenta a Coreia do Norte, às 15h30. Para quem não pode acompanhar de perto, na África do Sul, resta recorrer à televisão.

O problema é que a partida acontece no horário do expediente de muitos profissionais e, por isso, algumas empresas resolveram ou liberar os funcionários ou reservar um espaço para que eles possam assistir às partidas na própria companhia.

Com pipoca, refrigerante, telão e cornetas, o espaço de trabalho fica mais festivo. Mas cuidado! Por ser o primeiro jogo, pode ser que você cometa erros. É porque são nestas horas mais alegres que alguns passam dos limites, exatamente por pensar que o momento é de informalidade, o que não é verdade.

Os erros cometidos De acordo com o headhunter Ricardo Nogueira, da Junto Fast Recruitment, na empresa, a regra é ter bom senso, como na festa de final de ano, em que você não deve fazer nada do que terá vergonha quando voltar ao trabalho. Confira abaixo o que não deve ser feito ao acompanhar a Copa do Mundo na empresa:

  1. “Odeio futebol!” Mesmo que você não goste de assistir aos jogos, nada de usar o tempo livre para ir passear no shopping ou ir para a casa, uma vez que a finalidade é outra. “É claro que ninguém vai 'cair matando' por causa disso, afinal, o tempo é de confraternização, mas a pessoa fica com pontos negativos”, diz Nogueira. O melhor é continuar o trabalho.
  2. “#%&*&@#!” Falar palavrão, nem pensar. “Para quem é mais nervoso, o melhor é se isolar e assistir em outra televisão. Saia da empresa, se for necessário”, aconselha o headhunter.
  3. “Dá aqui um abraço!” Nada de intimidades. É claro que todos são brasileiros e torcem pela seleção, o que cria um clima de confraternização. Mas aí vale a máxima de não exagerar. Abrace apenas as pessoas com as quais possui intimidade. O chefe, então, nem pensar. “Respeite a hierarquia e cuidado com o contato físico”, afirma Nogueira.
  4. “Passa mais uma cerveja?” Existem empresas que liberam seus funcionários para assistir ao jogo em um outro ambiente. Se a escolha for pelo bar mais próximo da companhia, nada de exagerar na bebida, principalmente para aqueles que terão de retomar o trabalho após a partida. Se isso foi percebido, com certeza o profissional ganhará pontos negativos.
  5. “Goooooooooool!” Vale torcer pela seleção brasileira, e até mesmo gritar se for gol, mas pense que podem ter pessoas que estão trabalhando, pois não foram liberadas de seus postos por conta da demanda de trabalho. Não os atrapalhe gritando a todo o momento.
  6. “Cadê minha vuvuzela?” A bola perdeu espaço nesta Copa e o objeto mais desejado entre os torcedores tem sido a vuvuzela, aquela corneta originária da África do Sul. Mesmo que você tenha uma em casa, nada de levar para a empresa, somente se estiver liberado. Pergunte, antes de fazer aquele barulho que pode irritar alguns.
  7. “De verde e amarelo?” Vale levar algum adereço ou se vestir de verde e amarelo, mas somente durante o horário da partida. Quem tiver reunião então, nem pensar. Troque de roupa durante o expediente. “Tudo permitido pela empresa é válido durante o jogo”, diz o headhunter.
  8. “O que é isso chefe?” Não é porque o ambiente é informal que a liderança perde seu posto. Trate de continuar a agir como um exemplo para os funcionários: sem falar palavrão, sem colocar roupas exageradas e sem fazer aquele barulho que vai desconcentrar a vizinhança inteira. “Isso vai correr pela chamada ´rádio peão` e pode fazer com que o líder perca comando dali para a frente”.
  9. “Eu prefiro ficar sozinho!” Se você não é daqueles mais nervosos, que podem se exceder e ganhar pontos negativos durante o jogo, nada de assistir às partidas sozinho. “Este é um momento que as pessoas devem aproveitar para quebrar o gelo, conhecer pessoas de outras áreas, confraternizar e fazer networking”, comenta o headhunter.
  10. “Mas aquele lance... E aquela falta...” Terminou o jogo, terminou o assunto. Todo mundo vai ter de voltar ao trabalho e, com o tempo destinado à partida, tudo estará acumulado. É preciso ter concentração. “Pare de falar da partida, ou você passará a ser o mala da empresa”, afirma Nogueira.

Compartilhe:

    Hospedagem: UOL Host