UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

 

14/09/2010 - 15h56

Como as empresas avaliam a filiação partidária?

SÃO PAULO – A semanas das eleições, cujo primeiro turno ocorre no dia 3 de outubro, muitos brasileiros já se posicionam de maneira “aberta” quanto aos candidatos preferidos. 


A relação entre eleitor e político, especialmente em épocas como esta, pode se afunilar ao passo que o primeiro torna-se uma espécie de seguidor do segundo. Trata-se da filiação partidária, conhecida para alguns como militância.


Esse aspecto político, se levado ao ambiente de trabalho sem cautela pelo filiado, pode ser determinante para a origem de problemas. “Antes de mais nada, o funcionário não pode se esquecer de que precisa se reportar a um chefe, e de que este pode ter opinião contrária. Ainda assim, percebo que, hoje em dia, as organizações não têm políticas definidas sobre o assunto”, afirma o presidente da consultoria Lens & Minarelli, José Augusto Minarelli.


De acordo com ele, o profissional não é obrigado a comunicar ao chefe sobre a sua filiação partidária. Ou seja, para a empresa, este profissional não se difere dos demais.


Na empresa

Porém, para efeito de carreira, é sempre prudente analisar o local das manifestações partidárias. Discorrer sobre assuntos políticos durante o expediente, por exemplo, pode gerar um desconforto entre os demais colegas, inclusive o chefe.


Quem usa o espaço de trabalho para proclamar ideologias está sujeito a sofrer as consequências. Mas cuidado, pois política não se limita somente às ações verbais. Dessa forma, propaganda em camiseta, boné, entre outros objetos não deve ser feita dentro da empresa.


"Defender a opinião em uma hora de almoço ou em uma reunião mais informal não tem problema", diz Minarelli, que completa: "Todo esse contexto, de maneira geral, pode oferecer um risco ou facilidade na carreira".


Fora da empresa

Fora do ambiente de trabalho, contudo, a expressão é livre. Porém, tudo deve ser dosado para não prejudicar esse profissional. "Não adianta o profissional se conter na empresa, mas pegar um megafone e sair gritando e ofendendo os outros partidos na rua".


Se for visto por algum colega de trabalho, ele corre o risco de ser taxado de maneira negativa na companhia. A dica, então, não é se calar, mas sim se precaver de certas ações políticas exacerbadas, que podem envolver esse profissional em uma onda de problemas.

Hospedagem: UOL Host