! EUA: Fed mantém taxa básica na faixa de zero a 0,25% - 28/01/2009 - AFP - Economia
UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

28/01/2009 - 22h42

EUA: Fed mantém taxa básica na faixa de zero a 0,25%

[selo]
WASHINGTON, 28 Jan 2009 (AFP) - O Federal Reserve (Fed, o Banco Central americano) anunciou nesta quarta-feira a manutenção de sua taxa básica de juros na margem entre 0% e 0,25%, indicando que pretende estimular a economia com compras significativas de títulos nos mercados, "empregando todos os instrumentos disponíveis".

Ao concluir a reunião de dois dias, o Comitê de Política Monetária (FOMC) do Fed decidiu manter o objetivo da taxa de fundos federais em uma margem de 0% a 0,25%, conforme estabelecido no mês passado. Além disso, disse esperar que a taxa "excepcionalmente" baixa se mantenha "por algum tempo".

O comunicado do FOMC destaca também que o Fed "empregará todos os instrumentos disponíveis para promover a retomada de um crescimento econômico sustentável e para preservar a estabilidade dos preços".

O Fed, comprometido com um amplo programa para comprar dívidas hipotecárias, declarou-se "disposto a expandir o montante total dessas compras" e anunciou que "está preparado para comprar bônus do Tesouro em longo prazo", se isso ajudar a reativar o crédito.

A decisão do Fed chega dois dias antes da divulgação da primeira estimativa do Produto Interno Bruto (PIB) americano para o último trimestre de 2008.

Os analistas estimam que o PIB retrocedeu 5,4%, em ritmo anual, durante os três últimos meses de 2008, o que significará a mais acentuada queda de atividade nos EUA desde o primeiro trimestre de 1982.

O Comitê reiterou sua vontade de implantar seu dispositivo de apoio aos empréstimos ao consumo, anunciado em novembro, "para permitir a extensão do crédito às famílias e às pequenas empresas".

As decisões do Fed foram adotadas quase que por unanimidade dos membros do Comitê, à exceção do presidente do Banco Central de Richmond, Jeffrey Lacker. No comunicado final da reunião, Lacker disse preferir que a instituição comprasse bônus do Tesouro em longo prazo e abandonasse as medidas de apoio seletivo ao crédito.

As compras de bônus do Tesouro em longo prazo por parte do Fed teriam como efeito derrubar as taxas de longo prazo, que não caíram tanto quanto as de curto prazo. Essa queda facilitaria o esforço de investimento das empresas e obrigaria os operadores dos mercados financeiros a investir em segmentos mais rentáveis e mais arriscados.

Dessa maneira, seria facilitada a tarefa do Estado federal, cuja enorme necessidade de financiamento pode elevar as taxas de longo prazo.

A nota deixa entrever uma certa preocupação com a ameaça de deflação, julgando que "as pressões inflacionárias se manterão controladas nos próximos trimestres", e expressa "uma possibilidade de que a inflação se mantenha por algum tempo abaixo do nível que favorece o crescimento econômico e a estabilidade de preços de longo prazo".

Compartilhe:

    Hospedagem: UOL Host