! Grã-Bretanha vai proteger os bancos dos ativos podres - 26/02/2009 - AFP - Economia
UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

26/02/2009 - 10h43

Grã-Bretanha vai proteger os bancos dos ativos podres

[selo]
LONDRES, Reino Unido, 26 Fev 2009 (AFP) - O governo britânico apresentou nesta quinta-feira um plano de garantias dos ativos bancários podres, que ajudará os fragilizados Royal Bank of Scotland (RBS) e Lloyds Banking Group (LBG) com quantias colossais para assegurar a liquidez.

O RBS, que acaba de anunciar o maior prejuízo da história de uma empresa britânica (24,1 bilhões de libras, 34 bilhões de dólares), estreou o "plano de proteção de ativos", por meio do qual o Estado cobre o essencial das perdas geradas pelos ativos de risco dos bancos.

O Estado garantirá pelo menos 325 bilhões de libras de ativos mais ou menos podres. Cobrirá 90% das perdas geradas por estas ações, além de uma franquia de 19 bilhões.

As condições do plano são ainda mais generosas do que a imprensa especulava: o Estado vai cobrar do RBS apenas 2% do valor dos ativos garantidos, ou seja, 6,5 bilhões de libras, que o banco pagará em forma de ações especiais, o que no final das contas não deve custar nada em dinheiro à instituição.

Além disso, o Tesouro injetará mais liquidez no RBS: uma primeira parcela de 13 bilhões de libras, com um eventual complemento de seus bilhões, enquanto o banco se compromete a aumentar os empréstimos no Reino Unido.

No total, o Estado vai despejar até 25,5 bilhões de libras de capital novo no RBS.

O banco já recebeu 20 bilhões de libras do Estado em planos de resgate anteriores. O governo possui atualmente cerca de 70% do capital do RBS.

Em tese, as novas ajudas elevariam a participação do Estado a até 95% do capital, segundo o diretor geral do RBS, Stephen Hester.

No entanto, para evitar uma nacionalização quase completa, algo que o governo se recusa a admitir, o Estado estabeleceu que os novos capitais sejam desembolsados em forma de ações sem direito a voto, para que sua participação não supere juridicamente 75% do capital.

As condições foram bem recebidas na Bolsa, com os títulos do banco em alta de até 40%.

O Lloyds Banking Group (43% nas mãos do Estado) confirmou que negocia com o Tesouro sua participação no plano, mas não é certo que se beneficie das mesmas condições que o RBS.

O LBG pode anunciar um acordo sobre o tema na sexta-feira, dia em que apresentará os resultados anuais. A imprensa afirma que pedirá garantias para centenas de bilhões de libras de ativos podres.

O Barclays (que até o momento não recorreu ao Estado para uma recapitalização) também pode recorrer à garantia governamental.

O Tesouro anunciou que os bancos têm prazo até março para aderir ao regime, que está entre as principais medidas do último plano de resgate bancário anunciado em janeiro.

O ministro das Finanças, Alistair Darling, estimulou os bancos a aderir e disse que o plano é um "ponto de partida essencial" para acabar com os riscos excessivos do passado e reativar o mercado de crédito, mas reconheceu que "isto não acontecerá de um dia para o outro".

Compartilhe:

    Hospedagem: UOL Host