! Líderes da UE rejeitam recurso ao protecionismo na crise - 01/03/2009 - AFP - Economia
UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

01/03/2009 - 14h27

Líderes da UE rejeitam recurso ao protecionismo na crise

[selo]
BRUXELAS, Bélgica, 1 Mar 2009 (AFP) - Os dirigentes europeus rejeitaram neste domingo qualquer ideia de recurso a medidas protecionistas para enfrentar a crise global, em sua cúpula extraordinária, em Bruxelas, tentando assim encerrar uma polêmica crescente sobre o tema, iniciada há várias semanas.

Em um texto adotado pelos chefes de Estado e de Governo, eles admitiram que o "protecionismo não é a resposta para a crise atual".

Eles reafirmaram também sua vontade de fazer uso máximo do mercado único europeu, que garante a livre circulação das mercadorias, serviços, pessoas e capitais, para sustentar o crescimento e o emprego.

Além disso, a União Europeia anunciou que apoiará caso por caso os países do leste da Europa que estiverem com graves dificuldades financeiras, mas um grande plano de ajuda generalizada está fora de cogitação.

"Está totalmente claro que a UE não deixará ninguém na beira da estrada", declarou à imprensa o primeiro-ministro tcheco, Mirek Topolanek, cujo país preside a UE, ao final de uma cúpula de dirigentes europeus sobre a crise econômica.

Durante a cúpula, os chefes de Estado e de Governo disseram que todos os países membros da UE receberão a ajuda necessária em casos apropriados.

Mas ao mesmo tempo, não aceitaram um plano específico da UE para os países do leste europeu, como desejava a Hungria, particularmente afetada pela crise financeira e econômica.

"Esta ideia de dividir a Europa entre velhos países-membros e novos países-membros, entre leste e oeste é algo que rejeitamos claramente", explicou Topolanbek.

O presidente da Comissão Europeia, José Manuel Durão Barroso, destacou que os próprios países do leste da Europa, exceto a Hungria, recusaram este plano.

"As situações são muito diferentes de um país para o outro no leste da Europa e, em consequência, não há razão específica para tratar diferentemente um grupo particular de países", disse.

Em entrevista à imprensa após a cúpula, ele também disse que os países europeus conseguiram um "acordo global" em um "marco comum" sobre a crise, precisando que a decisão final será tomada na próxima cúpula da UE de 19 e 20 de março.

Por sua vez, o presidente francês, Nicolas Sarkozy, afirmou que os países da União Europeia conseguiram um acordo fundamental sobre o tratamento dos ativos tóxicos dos bancos, considerados responsáveis pela paralisia persistente do crédito.

"A reunião viabilizou um acordo sobre o tratamento dos ativos tóxicos que naufragam as contas dos estabelecimentos bancários", disse Sarkozy à imprensa, ao final da cúpula.

Compartilhe:

    Hospedagem: UOL Host