! Petróleo cai em NY e Londres, após forte aumento de reservas - 18/03/2009 - AFP - Economia
UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

18/03/2009 - 17h58

Petróleo cai em NY e Londres, após forte aumento de reservas

[selo]
NOVA YORK, EUA, 18 Mar 2009 (AFP) - Os preços do petróleo fecharam em queda nesta quarta-feira em Londres e Nova York, depois de se aproximar dos 50 dólares na terça-feira, afetados pelo forte aumento dos estoques petroleiros dos Estados Unidos.

Na New York Mercantile Exchange (Nymex), o barril de West Texas Intermediate (designação do "light sweet crude" negociado nos EUA) para entrega em abril perdeu 1,02 dólar, a 48,14 dólares, chegando a atingir 49,82 dólares durante a sessão, seu nível mais alto desde 6 de janeiro.

Na Intercontinental Exchange de Londres, o barril de Brent do mar do Norte para entrega em maio caiu 58 centavos, cotado a 47,66 dólares no fechamento.

O barril abriu em leve alta, mas os preços despencaram depois da divulgação dos dados semanais sobre o nível das reservas petroleiras americanas pelo departamento de Energia.

O aumento dos estoques é "geral", segundo Hussein Allidina, do Morgan Stanley. Os estoques de cru aumentaram 2 milhões de barris na segunda semana de março, duas vezes mais que o esperado, a 353,3 milhões de barris. As reservas de gasolina subiram 3,2 milhões de barris, quando especialistas esperavam uma queda, e a dos produtos destilados avançaram 100.000 barris.

No que diz respeito ao cru, "as importações se mantiveram fracas (...), e as refinarias estão operando em um nível tão baixo de capacidade que os estoques continuam aumentando", destacou Allidina.

Analistas apontam para o fato de que as reservas no centro de armazenamento de Cushing, em Oklahoma (sul), voltam a encher, depois de terem registrado uma redução nas últimas semanas.

Este terminal, para onde vai o cru negociado na Nymex, é acompanhado de perto pelos operadores, e está a um passo da saturação.

"Vamos entrar em um período agora em que os estoques voltarão a subir em Cushing, mas desta vez as reservas aumentarão paralelamente na Europa", advertiu Nic Brown, da Natixis.

O segundo trimestre é tradicionalmente um período de pouca demanda.

Compartilhe:

    Hospedagem: UOL Host