! Deputados americanos aprovam a taxação de 90% de bônus pagos por empresas - 19/03/2009 - AFP - Economia
UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

19/03/2009 - 16h39

Deputados americanos aprovam a taxação de 90% de bônus pagos por empresas

[selo]
WASHINGTON, EUA, 19 Mar 2009 (AFP) - A Câmara de Representantes dos EUA aprovou nesta quinta-feira projeto de lei tributando 90% dos prêmios pagos por empresas, tais como os concedidos aos executivos da seguradora AIG, ajudada pelo Estado.

A maioria democrata recebeu o apoio de um bom número de republicanos que se opõem ao presidente Barack Obama em uma votação que terminou com o resultado de 328 a 93 em favor do projeto, no momento em que a pressão aumenta sobre o secretário do Tesouro Timothy Geithner por seu papel no caso.


O texto apresentado pelo representante democrata Charles Rangel, instaura um imposto que será aplicado sobre os funcionários cuja remuneração superar os US$ 250 mil por ano em empresas que receberam mais de cinco bilhões de dólares de ajuda pública.

"A ira gerada pela arrogância, pela pretensão e pela cobiça dessas pessoas", justificou a medida, disse nesta quinta-feira a presidente democrata da Câmara dos Representantes Nancy Pelosi, referindo-se aos beneficiários dos bônus.

No Senado, um projeto de lei de taxação das empresas e dos beneficiários também foi apresentado. O texto é diferente do da Câmara e deverá ser apresentado nesta quinta-feira à tarde, segundo uma fonte ligada aos democratas no Senado.

Os republicanos da Câmara haviam proposto um outro projeto de lei que permitiria, segundo eles, recuperar 100% dos bônus "imediatamente". "O projeto de lei democrata, que foi examinado hoje, não faz isso", disse o chefe da bancada republicana John Boehner, acrescentando que a maioria não permitirá "nem que (o projeto republicano) seja discutido".

O escândalo dos bônus ocorreu após a concessão neste mês de US$ 165 milhões aos executivos da seguradora AIG para estimulá-los a permanecer na empresa. D

ez deles receberam uma quantia total de US$ 42 milhões, mas 11 executivos já deixaram a companhia, que recebeu dezenas de bilhões de dólares em dinheiro público para sobreviver à crise.

Compartilhe:

    Hospedagem: UOL Host