! Em Sochaux, 'cidade-Peugeot', o angustiante silêncio da fábrica - 20/03/2009 - AFP - Economia
UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

20/03/2009 - 15h25

Em Sochaux, 'cidade-Peugeot', o angustiante silêncio da fábrica

[selo]
SOCHAUX, França, 20 Mar 2009 (AFP) - As máquinas voltaram a fazer o seu barulho regular após seis dias de silêncio na fábrica histórica da Peugeot em Sochaux (leste). "É desanimador quando as máquinas não funcionam. Prefiro o barulho", afirma Laurent Roziak, empregado da montadora automobilística francesa.

Laurent Roziak trabalha há 20 anos na Peugeot-Sochaux, a maior fábrica da França, como 12.000 outros funcionários. A produção, que foi retomada na terça-feira, havia sido interrompida novamente na semana passada, por causa de uma greve em um dos fornecedores da fábrica.

Houve diversas interrupções das linhas de montagem de carros neste ano e três semanas de desemprego técnico em dezembro. Sochaux, a "cidade-Peugeot", sentiu o impacto de uma crise econômica que atinge em primeiro lugar a indústria automobilística, com uma queda nas vendas nos Estados Unidos e na Europa.

"Nos perguntávamos quando isso ia acabar. Foi a primeira vez que ficamos tantos dias sem trabalhar", disse David Sciaux, 37 anos, que retornou ao trabalho nesta semana.

"Todos sabemos que quando a Peugeot tosse, toda a região fica gripada", disse Pascal Pavillard, sindicalista da Força Operária (FO). E isso não é exagero, já que a empresa gera 65.000 empregos.

A PSA Peugeot Citroën, maior montadora de automóveis da França e segunda europeia, prevê uma queda de 20% de suas vendas neste ano e, como sua concorrente Renault, anunciou o corte de milhares de postos de trabalho. Ela registrou no ano passado suas primeiras perdas financeiras em 10 anos.

Desde o início da crise, a direção cortou 1.000 empregos temporários, dos quais contratos que não foram renovados. Negociações estão em andamento para a demissão voluntária de 150 executivos.

A direção espera que a retomada da economia francesa ocorra em 2010 e que neste momento a fábrica esteja bem posicionada para tirar proveito da conjuntura, afirmou Jean-Charles Lefebvre, um porta-voz da Peugeot.

Compartilhe:

    Hospedagem: UOL Host