! Recessão na Alemanha será pior que o previsto: -6% e não -2,25% - 29/04/2009 - AFP - Economia
UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

29/04/2009 - 12h57

Recessão na Alemanha será pior que o previsto: -6% e não -2,25%

[selo]
BERLIM, Alemanha, 29 Abr 2009 (AFP) - O governo alemão prevê que a primeira economia europeia sofrerá este ano uma recessão de 6% de seu PIB, agravando sua projeção anterior de uma recessão de 2,25%, mas acredita que, em 2010, o país voltará a crescer 0,5%, indicou nesta quarta-feira o ministério da Economia.

A atual recessão da Alemanha é uma das piores no país desde a Segunda Guerra Mundial.

Para 2009, ano eleitoral que terá uma provável reeleição de Angela Merkel como chanceler, Berlim prevê uma recessão de 6%, anunciou o ministro da Economia, Karl-Theodor zu Guttenberg.

Em janeiro, o governo mantinha sua previsão de queda de 2,25% na atividade econômica, mas o ministro da Economia e das Finanças, Peer Steinbruck, havia avisado que estes números já estavam superados.

Berlim teve que revisar seus cálculos porque o Produto Interno Bruto (PIB) registrou forte queda no primeiro trimestre, e será "quase impossível recuperar isto durante o ano", ressaltou zu Guttenberg.

Steinbruck havia calculado recentemente que o PIB cairia 3,3% no primeiro trimestre, em comparação com o trimestre passado.

Se a previsão para 2009 se confirmar, a Alemanha será o país desenvolvido mais afetado pela crise, ao lado do Japão.

A Alemanha também sofre com a queda de suas exportações (em particular, dos bens de produção), campo no qual detém a liderança mundial.

As empresas querem, principalmente, assegurar sua situação financeira e "adiam os investimentos", explicou Stefan Kooths, economista do instituto berlinense DIW, entrevistado pela AFP.

Os economistas consideram que não é uma boa ideia questionar a estrutura econômica da Alemanha. O país "tirou enorme proveito da globalização" durante os últimos anos, lembrou Kooths.

"É de se esperar que a economia volte a arrancar" e que as empresas alemãs se beneficiem dos planos de reativação conjunturais implementados no mundo, segundo Frank Baasner, do instituto DFI.

O governo também espera uma progressão de 0,5% do PIB no próximo ano. O Fundo Monetário Internacional (FMI) e os principais institutos de análise econômica do país consideram, ao contrário, que o PIB continuará retrocedendo.

O desemprego aumentará em 2009 a um nível médio de 3,7 milhões de pssoas para chegar a 4,6 milhões em 2010, segundo o ministério.

Compartilhe:

    Hospedagem: UOL Host