! Bancos dos EUA seriam incapazes de enfrentar a crise com recursos próprios - 06/05/2009 - AFP - Economia
UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

06/05/2009 - 18h11

Bancos dos EUA seriam incapazes de enfrentar a crise com recursos próprios

[selo]
WASHINGTON, EUA, 6 Mai 2009 (AFP) - As autoridades americanas parecem ter sido severas com os grandes bancos do país, ao diagnosticar que muitos deles não seriam capazes de enfrentar a crise com recursos próprios, pelo que foram obrigados a captar quantias consideráveis para fortalecer seus balanços.

Os resultados dos "testes de resistência" realizados desde março com os 19 maiores bancos do país devem ser divulgados nesta quinta-feira, mas as conclusões começaram a vazar na imprensa americana.

JPMorgan Chase, American Express (AmEx) e Bank of New York Mellon teriam passado no teste e não precisariam captar capitais adicionais, segundo uma informação do site do Wall Street Journal.

As instituições públicas já haviam indicado que nenhum dos bancos examinados estava à beira da falência, mas presume-se que esses testes deverão mostrar que faltam a eles bilhões de dólares em recursos próprios para resistir a uma possível degradação da conjuntura econômica.

No final de abril, o Fundo Monetário Internacional havia afirmado que os bancos mericanos precisariam de cerca de 275 bilhões de dólares suplementares até 2010 para sanear suas contas.

"São cifras enormes. Será um desafio para as instituições que deverão captar fundos (...) Com a divulgação destes resultados, talvez haja mais perguntas sobre o futuro destes bancos do que respostas", explicou à AFP o advogado Kevin Petrasic, um ex-diretor do regulador bancário OTS.

Segundo o New York Times e o Wall Street Journal, o primeiro banco dos Estados Unidos em ativos, o Bank of America (BofA), precisará obter até 35 bilhões de dólares para atender às exigências do regulador.

Caso não consiga toda essa quantia, o banco, que recebeu 45 bilhões de dólares de recursos públicos, poderá ser obrigado ae converter parte de seus títulos híbridos em poder do Estado em ações ordinárias, o que levaria à sua nacionalização parcial.

Na sexta-feira, o Wall Street Journal informou que o Citigroup precisará captar 10 bilhões de dólares.

O presidente do Federal Reserve americano, Ben Bernanke, assegurou que "uma grande quantidade deles (dos bancos) será capaz de satisfazer suas necessidades (...) sem capitais suplementares do Estado", declarou ao Congresso. Também destacou a hipótese de que os bancos, diante da incapacidade de recorrer ao mercado, fiquem resignados ao verem o Estado aumentar sua participação.

O governo de Barack Obama não quer solicitar ao Congresso mais que os 700 bilhões de dólares desbloqueados em outubro para o sistema financeiro, dos quais resta a aplicar apenas cerca de 1 bilhão.

"Não podemos subvencionar os bancos para sempre", ressaltam os economistas Matthew Richardson e Nouriel Roubini no Wall Street Journal.

Segundo eles, na medida em que "é altamente provável que alguns de seus grandes bancos terminem ficando insolventes (...) o Estado deve se dotar de um plano para solucionar os problemas destas instituições - uma solução diferente de aplicar dinheiro público em um poço sem fundo".

Compartilhe:

    Hospedagem: UOL Host