! Hillary Clinton pede aos africanos que lutem contra a corrupção - 05/08/2009 - AFP - Economia
UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

05/08/2009 - 10h15

Hillary Clinton pede aos africanos que lutem contra a corrupção

NAIRÓBI, Quénia, 5 Ago 2009 (AFP) - A secretária de Estado americana, Hillary Clinton, pediu com vigor nesta quarta-feira aos Estados africanos que lutem contra a corrupção e a criminalidade para promover a boa governança indispensável para crescimento econômico do continente.

"O verdadeiro progresso econômico na África dependerá de governos responsáveis que rejeitam a corrupção, apliquem o Estado de direito e obtenham resultados para seus povos", declarou Hillary Clinton na abertura de uma conferência do Programa Americano sobre o Crescimento e as Possibilidades Econômicas na África (Agoa), mecanismo que facilita as exportações dos países da África Subsaariana para os EUA.

"O avanço dependerá da boa governança e da adesão ao Estado de direito, condições essenciais para gerar um clima positivo e previsível para os investimentos e um crescimento econômico global", insistiu Hillary Clinton, ressaltando "que não se trata simplesmente de boa governança, mas também de negócios.

"Os investidores não serão atraídos por Estados onde a criminalidade e as violências ou a corrupção marcam todas as transações ou decisões", continuou.

Em termos de boa governança e o desenvolvimento, os países africanos podem contar com o "apoio completo" da administração americana, afirmou o presidente Barack Obama, cujo pai nasceu no Quênia, em uma mensagem gravada difundida aos participantes da conferência.

"Somente os africanos podem destravar o potencial da África", disse Obama. "A todos os africanos que procuram um futuro de esperança, saibam o seguinte: vocês têm um parceiro e um amigo nos Estados Unidos", acrescentou.

"Diante das expectativas dos povos do continente, é dever dos responsáveis políticos traduzir seus compromissos em ações", destacou Hillary Clinton, na presença do presidente queniano Mwai Kibaki e de seu primeiro-ministro, Raila Odinga.

A secretária de Estado deve encontrar nesta quinta-feira com os dois homens, criticados em seus países pela incapacidade de empreender reformas previstas por um acordo para acabar com a sangrenta crise política e étnica que abalou o país no início de 2008 após a contestação da reeleição de Kibaki por Odinga.

Hillary Clinton pediu também, em Nairóbi, que os países africanos garantam os direitos das mulheres e melhorem seu estatuto econômico.

"Não é apenas um imperativo moral. É também um imperativo econômico", indicou.

A secretária de Estado americana chegou terça-feira ao Quênia, primeira etapa de um giro de 11 dias no continente, após o apelo em Accra, Ghana, do presidente Barack Obama convidando à África a lutar contra as práticas antidemocráticas, os conflitos e a doença.

A viagem, a mais longa desde que assumiu o cargo, visa principalmente demonstrar ao continente negro o envolvimento dos Estados Unidos após as prioridades manifestadas pela nova administração para as outras regiões do globo.

Hillary Clinton vai trabalhar para estreitar os laços com três potências do continente -Quênia, Nigéria e África do Sul- e a apoiar três países marcados por conflitos recentes- Angola, República democrática do Congo e Libéria - para encerrar seu giro com uma visita a Cabo Verde.

Compartilhe:

    Hospedagem: UOL Host