! EUA: secretário do Tesouro vislumbra "primeiros sinais de crescimento" - 02/09/2009 - AFP - Economia
UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

02/09/2009 - 18h09

EUA: secretário do Tesouro vislumbra "primeiros sinais de crescimento"

WASHINGTON, EUA, 2 Set 2009 (AFP) - O secretário do Tesouro dos Estados Unidos, Timothy Geithner, declarou nesta quarta-feira que vislumbra "os primeiros sinais de crescimento" econômico em seu país e no mundo.

"Observamos os primeiros sinais de crescimento (...) neste país e no mundo", disse Geithner durante entrevista dedicada à reunião de ministros das Finanças do G20, sexta e sábado em Londres.

"A força da resposta que pusemos na execução aqui e com o G20 (...) verdadeiramente permitiu afastar, com sucesso, a economia mundial da beira do abismo", destacou o secretário.

Geithner advertiu que é "preciso ser realista", já que há um "longo caminho" pela frente.

A maioria dos governadores do Federal Reserve (Fed) pensa que a economia dos Estados Unidos se recuperará "lentamente" no segundo semestre, e todos advertem que a mesma "ainda está vulnerável a choques", segundo as atas de sua última reunião, publicadas hoje.

O documento da reunião do Comitê de Política Monetária do Fed (FOMC) mostra que a situação do emprego continua sendo "um motivo particular de preocupação" para o Federal Reserve, apesar da queda no ritmo das demissões.

Na reunião de 11 e 12 de agosto, os membros do FOMC confirmaram sua previsão da volta do crescimento nos Estados Unidos no segundo semestre.

Segundo a pesquisa mensal do gabinete de assessoria em recursos humanos (ADP) divulgada hoje, o setor privado americano manteve sua rotina de demissões em massa em agosto, confirmando a perspectiva de alta do desemprego para os próximos meses.

O setor privado não agrícola suprimiu 298 mil postos de trabalho nos Estados Unidos em agosto, uma cifra bem superior ao antecipado pelos analistas, que previam 250 mil demissões.

O ADP destaca que "a queda do emprego em agosto foi a menos severa desde setembro de 2008", o pior mês da crise financeira, e que as "perdas de postos de trabalho diminuíram claramente".

Em agosto, o setor de serviços, que gera mais de 85% do emprego não agrícola nos Estados Unidos, perdeu 146 mil postos; e apesar da recuperação da atividade industrial em agosto, este setor suprimiu 152 mil empregos, destaca a ADP.

Compartilhe:

    Hospedagem: UOL Host