! Semana da Moda de Milão começa em plena crise econômica - 22/09/2009 - AFP - Economia
UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

22/09/2009 - 14h55

Semana da Moda de Milão começa em plena crise econômica

ROMA, Itália, 22 Set 2009 (AFP) - A Semana de Moda milanesa começa nesta quarta-feira, após os desfiles de Londres e antes das passarelas de Paris, com cerca de 90 desfiles de moda feminina primavera-verão 2010, em meio à queda das exportações do prêt-à-porter feminino italiano no primeiro semestre de 2009.

A marca Elena Miro, especializada em tamanhos grandes, mais uma vez vai abrir os desfiles que, até 29 de setembro, vão apresentar as coleções das mais famosas marcas italianas.

A partir de quinta-feira, Giorgio Armani e Prada invadirão as passarelas, asim como Just Cavalli. Na sexta-feira será a vez de Alberta Ferretti, Versace, Gianfranco Ferré e Jil Sander, seguidos no sábado por Bottega Veneta, Roberto Cavalli, Emporio Armani, Moschino e Max Mara. As coleções de Missoni, Etro, John Richmond e Salvatore Ferragamo apresentam seus looks no domingo. Na segunda-feira acontecem os desfiles de Dsquared2, Frankie Morello e Laura Biagiotti.

Na quarta-feira e no dia 29 desfilam as marcas menos conhecidas no exterior. Segundo um estudo publicado em 17 de setembro pelo Sistema Moda Italia (SMI, uma federação que reúne cerca de 60.000 empresas do setor de roupas), as exportações italianas do prêt-à-porter feminino registraram forte queda, principalmente da União Europeia, durante os cinco primeiros meses de 2009.

De janeiro a maio, as exportações diminuiram 25,3% advindas da Rússia, 26,8% dos Estados Unidos, 12% da Suíça e 18% do Japão. Na União Europeia, as quedas mais importantes aconteceram na Espanha (-16,7%) e na Grã-Bretanha (-15%). Diante destas cifras, a presidente do SMI, Michele Tronconi, pediu "uma ação da política econômica, com medidas e intervenções do governo a favor do setor nos próximos meses, que modifique a tendência atual reduzindo o tempo necessário para sair do túnel".

Sem estas medidas, o SMI prevê que 56.000 postos de trabalho poderiam ser suprimidos no setor de moda, sobre um efetivo total estimado em 510.000.

Compartilhe:

    Hospedagem: UOL Host