! Brasil lidera recuperação na América Latina (Bird) - 28/09/2009 - AFP - Economia
UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

28/09/2009 - 23h26

Brasil lidera recuperação na América Latina (Bird)

MIAMI, EUA, 28 Set 2009 (AFP) - O economista-chefe do Banco Mundial para a América Latina e o Caribe, Augusto de la Torre, disse nesta segunda-feira que "o pior da crise (na região) já passou", durante uma entrevista coletiva à imprensa em Miami, na qual destacou o Brasil.

"O cenário catastrófico que estava no pensamento de muitos começou a se dissipar", declarou De la Torre na véspera da "Conferência das Américas", que começa na terça-feira em Miami.

A recuperação na região é liderada por Brasil, Argentina e Chile, países cujas economias estão mais ligadas à China, acrescentou.

Segundo De la Torre, as economias mais ligadas à China foram beneficiadas no contexto da atual crise.

É necessário, acrescentou, saber quais foram os impactos das políticas de estímulo fiscal, mas, até o momento, esses impactos foram mais fortes do que o previsto.

Além disso, ele anunciou que a contração do PIB da América Latina em 2009 será em média de 2% e que o crescimento em 2010 será da ordem de 3%.

De la Torre advertiu que apesar da reativação na região, a recuperação dos empregos na América Latina só se dará em 2010.

Segundo o economista, a crise mais aguda ocorreu no México, "com uma contração da ordem de sete por cento". "Sem o México, não haveria contração na América Latina" e a região ficaria com um crescimento "em torno de zero".

"A América Latina não sofreu o colapso financeiro como ocorreu em outras partes. Está saindo desta crise sem um dano sistêmico ou estrutural e isto é uma boa notícia para nossos países".

"Graças ao modo como superou a crise, a América Latina é atualmente um destino atrativo para os investimentos externos, o que deixa as economias da região bem posicionadas para a recuperação".

De la Torre disse que é preciso conter o otimismo excessivo, já que a recuperação a curto prazo está apoiada em programas de estímulo adotados pelas maiores economias do mundo.

O economista também advertiu para a necessidade de se manter as reformas de base nos sistemas financeiros, diante das persistentes fragilidades da economia mundial.

"Existe uma grande incerteza sobre o que vai ocorrer além de meados de 2010, já que é preciso saber como os países sairão dos planos de estímulo".

A Conferência das América, que reúne funcionários do governo e economistas líderes do hemisfério, analisará nos próximos dois dias, em Miami, os desafios para a região após a crise financeira global.

Compartilhe:

    Hospedagem: UOL Host