! Potências dispostas a abandonar o dólar em transações do petróleo - 06/10/2009 - AFP - Economia
UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

06/10/2009 - 09h56

Potências dispostas a abandonar o dólar em transações do petróleo

LONDRES, 6 Out 2009 (AFP) - Os países árabes do Golfo, China, Rússia, Japão e França estudam a possibilidade de trocar o dólar nas transações do petróleo por uma cesta de moedas que incluiria o iene, o yuan, o euro, o ouro e uma futura moeda do Golfo, revela o jornal britânico The Independent.

"Ministros das Finanças e presidentes de bancos centrais celebraram reuniões secretas na Rússia, China, Japão e Brasil para trabalhar no projeto, que significaria que o petróleo não seria mais cotado em dólares", afirma o jornal, que alega ter confirmado as informações com fontes bancárias em Hong Kong.

O Independent destaca ainda que o Brasil mostrou interesse em colaborar com pagamentos do petróleo que não sejam em dólares, junto com a Índia.

"Os projetos poderiam ajudar a explicar a súbita alta dos preços do ouro (que se aproximaram em setembro de valores recordes), mas prevêem também uma extraordinária transição dos mercados do dólar nos próximos nove anos", afirma o jornal.

"O governo dos Estados Unidos sabe que estas reuniões aconteceram, mas desconhece os detalhes, e certamente vai combater esta intriga internacional que inclui aliados até agora leais, como o Japão e os países árabes do Golfo", prevê.

Até que o dólar seja abandonado, a moeda de transição pode ser o ouro, segundo fontes de bancos chineses.

A transição implicaria quantidades colossais: Abu Dhabi, Arábia Saudita, Kuwait e Qatar possuem conjuntamente enormes reservas em dólares.

Os seis países do Conselho de Cooperação do Golfo (CCG) - Arábia Saudita, Bahrein, Kuwait, Qatar, Omã e Emirados Árabes Unidos - têm o plano de lançar uma moeda única em 2010, que estaria representada na cesta de divisas que destronaria o dólar.

No entanto, o ministro do Petróleo do Kuwait, xeque Ahmad Abdallah Al-Saba, negou a intenção dos países árabes de abandonar o dólar.

"Nunca discutimos ou propusemos isto", afirmou, em referência às monarquias árabes petroleiras do Golfo.

Compartilhe:

    Hospedagem: UOL Host