UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

 

05/11/2009 - 14h43

Brasil, Europa e Ásia se recusam a pagar pela recuperação dos EUA

PARIS, 5 Nov 2010 (AFP) -A decisão do Fed (Federal Reserve, banco central americano) de injetar 600 bilhões de dólares nos mercados para favorecer a recuperação nos Estados Unidos provocou uma enxurrada de críticas, na sexta-feira, da Europa e da Ásia, que se somaram ao Brasil em seu temor de ter que pagar o preço da convalescença da primeira economia mundial.

Se as praças bursáteis reagiram com entusiasmo, os governos não demonstraram a mesma simpatia, já que vários países veem, por trás desta injeção de liquidez, o risco de um declínio do dólar, o que prejudicará suas exportações.

A decisão do Fed ocorre em pleno debate sobre a guerra cambial, com trocas de acusações entre vários países por intervirem para fragilizar suas moedas e favorecer as exportações e o crescimento individuais em detrimento dos outros.

Os países asiáticos, liderados pela China, temem em particular se tornar o principal alvo dos especuladores, em busca de rendimentos financeiros mais elevados dos mercados emergentes, em comparação com as economias desenvolvidas.

O governador do Banco Central chinês, Zhou Xiaochuan, considerou que a medida adotada pelo Fed poderia ser a melhor para os Estados Unidos, mas "não necessariamente a ideal para o mundo", pois corre o risco de acarretar "muitos efeitos negativos para a economia mundial".

A possibilidade de que os novos recursos disponíveis com a decisão do Fed vão para os mercados emergentes, uma ameaça que afeta também a América Latina, traz o risco de que se formem bolhas especulativas.

A partir desta medida "desleal", "um volume enorme de capitais vai dirigir-se, provavelmente, para as economias emergentes", disse, por sua vez, um conselheiro da instituição, Xia Bin.

A China espera que os Estados Unidos deem "uma explicação", já que a "confiança internacional na reativação e no crescimento da economia mundial poderia ser afetada", disse, por sua vez, o vice-chanceler chinês Cui Tiankai.

Foi o ministro da Fazenda brasileiro, Guido Mantega, que fez os primeiros ataques na quinta-feira, ao assegurar que "de nada serve que andem atirando dinheiro de um helicóptero sobre a economia porque isto não fará o crescimento brotar".

"O único resultado que tem esta medida é uma depreciação do dólar para que os Estados Unidos tenham uma competitividade maior no comércio internacional, tanto é assim que nós hoje temos um déficit comercial com os Estados Unidos e isto nos afeta", acrescentou.

Muito crítico também, o ministro alemão das Finanças, Wolfgang Schauble, assegurou que os americanos não vão resolver seus problemas, ao contrário, vão criar "problemas adicionais" ao mundo.

"Certamente desejo que os americanos resolvam rápido e bem seus grandes problemas, mas se virem os êxitos da Alemanha, perceberão que não conseguirão criando mais déficits", disse o ministro conservador.

A ministra francesa da Economia também lamentou que o euro "arque com o peso" desta medida.
Hospedagem: UOL Host