UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

 

10/11/2009 - 12h21

Apec inicia seus debates sobre reativação econômica e clima em Cingapura

CINGAPURA, Cingapura, 10 Nov 2009 (AFP) - O Fórum de Cooperação Econômica da Ásia-Pacífico (Apec) inaugurou nesta terça-feira, em Cingapura, uma semana de debates ministeriais antes da cúpula de seus líderes sábado e domingo, com a difícil reativação econômica e a luta contra a mudança climática como eixos das discussoes.

À espera da chegada do presidente americano, Barack Obama, e seus colegas chineses, Hu Jintao, e russo, Dimitri Medvedev - entre outros líderes -, os ministros de Finanças das 21 economia das Apec fizeram nesta terça-feira um rascunho da declaração final, rechaçando toda medida prematura de pressão fiscal ante a conjuntura atual, segundo uma cópia do documento obtida pela AFP.

"Concordamos em que a solução não é se preciptar para a pressão fiscal, especialmente com os mercados de crédito ainda em fase de recuperação. Uma retirada planejada e gradual das medidas extraordinárias de estímulo ajudará a evitar uma dupl e profunda recessão", destaca o texto, que servirá de base para as discussões dos líderes.

"Quando a crise passar para uma fase mais estável, permanecemos alerta porque a recuperação econômica ainda é provisória", acrescentou o documento.

Os Estados Unidos implementaram um plano de reativação no valor de 787 bilhões de dólares com o qual a Casa Branca assegura ter salvado ou criado ao menos 650.000 empregos.

Na Ásia, os pacotes de estímulo às economias adotados totalizaram mais de um trilhão de dólares, segundo a agência Standard and Poor's.

Mas, apesar dos indícios de uma reativação da economia mundial, os analistas temem que a recuperação se sustente somente nos grandes pacotes de medidas de estímulo lançados pelos governos e careça de sustentação.

Diante da volta do protecionismo em diversas formas, a Apec pode desempenhar um papel crucial para impulsionar o livre comércio e levantar os obstáculos para os investimentos e as finanças, segundo a delegação chilena, a primeira latino-americana se pronunciar.

Além destes temas, os membros da Apec devem propor, durante a Cúpula, uma redução das emissões de gases causadores do efeito estufa, segundo projeto de resolução obtido semana passada pela AFP.

Neste contexto, e a semanas da conferência internacional sobre mudança climática de Copenhague, eles vão propor uma redução de 50% das emissões de gases poluentes daqui a 2050 em relação ao nível de 1990.

A Apec, criada em 1989, é integrada por Austrália, Brunei, Canadá, Coreia do Sul, Chile, China, Estados Unidos, Filipinas, Hong Kong, Indonésia, Japão, Malásia, México, Nova Zelândia, Papua Nova Guinea, Peru, Rússia, Cingapura, Taiwan, Tailândia e Vietnã.

Compartilhe:

    Hospedagem: UOL Host