UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

 

12/11/2009 - 20h13

BA e Iberia assinam acordo de fusão

LONDRES, Reino Unido, 12 Nov 2009 (AFP) - As companhias aéreas British Airways e Iberia assinaram nesta quinta-feira um acordo de fusão, segundo o qual os acionistas da britânica ficarão com 55% da nova empresa, e os da espanhola, com 45%.

A nova empresa será dirigida pelo atual presidente da BA, Willie Walsh.

A nova companhia, chamada de "TopCo" no comunicado comum emitido pelas duas empresas, terá uma frota de 149 aviões indo para 205 destinos diferentes.

Em 2008, as duas companhias tiveram um número total de passageiros de 62 milhões. Juntos, seus faturamentos totalizaram cerca de 15 bilhões de euros nos últimos anos.

A TopCo será cotada na Bolsa de Londres, e terá possivelmente uma segunda cotação em Madri. Ela será espanhola, mas a sede ficará em Londres.

A fusão será finalizada no final de 2010, e as duas empresas manterão seus nomes respectivos e suas operações atuais, segundo o comunicado.

Iberia e BA estavam negociando a fusão desde 2008. A BA havia fracassado em comprar a Iberia em 2007. A Iberia possui 9% da BA, que por sua vez possui 13% da companhia aérea espanhola.

A anunciada fusão da British Airways (BA) e da Iberia está sendo vista como um importante capítulo na reconfiguração da paisagem aérea na Europa, que começou em 2004 com a união da Air France e da holandesa KLM.

"Atualmente, as companhias aéreas de tamanho médio têm cada vez menos possibilidades de sobreviver, pelo que são obrigadas a aliar-se a outras maiores. É o caso da Iberia com a British Airways", destaca um analista, que pediu para não ter o nome divulgado.

Por um lado, essas companhias médias têm que competir com as de baixo custo, que propõem tarifas mais atraentes para vôos curtos e, de outro, têm que enfrentar as maiores, como Air France-KLM ou Lufthansa, líderes europeus, que possuem uma potente oferta com suas plataformas aeroportuárias.

A situação não melhorou com a crise econômica. O tráfego aéreo se reduziu muito e os passageiros da classe executiva diminuíram seus deslocamentos.

Soma-se a isso os custos com os combustíveis.

Desde que a Air France e a KLM se juntaram, em 2004, as fusões se aceleraram na Europa. O grupo franco-holandês adquiriu, este ano, 25% da companhia aérea italiana Alitalia.

A rival alemão Lufthansa, que se fundiu com a a suíça Swiss, em 2005, adquiriu este ano a Austrian Airlines (AUA), que dispõe de grande rede na Europa central, e a britânica British Midland (BMI), com importante acesso ao aeroporto londrino de Heathrow.

Compartilhe:

    Hospedagem: UOL Host