UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

 

11/01/2010 - 07h43

Heineken anuncia compra da mexicana Femsa

HAIA, 11 Jan 2010 (AFP) - O grupo de cerveja holandês Heineken anunciou nesta segunda-feira a compra da Fomento Econômico Mexicano (Femsa Cerveza), por meio de uma transação de ações de 7,7 bilhões de dólares (5,3 bilhões de euros), o que deixa a empresa bem posicionada na América Latina.

"A Heineken... vai criar a uma grande nova plataforma para o crescimento com a aquisição das atividades de cerveja da Femsa com uma transação de ações", afirma a empresa holandesa em um comunicado.


"A Heineken vai adquirir a Femsa Cerveza, o que inclui 100% das operações de cerveja da Femsa no México e 83% do negócio de cerveja da Femsa no Brasil, que a Heineken não possuía ainda", completa o texto.

"Com base na cotação da ação da Heineken a 32,925 euros em 8 de janeiro, isto avalia a FEMSA em 3,8 bilhões de euros", explica o comunicado.

A Heineken também assumirá as dívidas da empresa e as obrigações de aposentadoria, o que eleva o custo total da aquisição a 5,3 bilhões de euros.

A Femsa, que possui as marcas de cerveja Dos Equis, Tecate e Sol, passará a possuir 20% das ações do grupo Heineken. Deste modo se torna a segunda acionista do grupo holandês e terá dois representantes na diretoria.

O diretor executivo da Femsa, José Antonio Fernández Carbajal, afirmou que "no contexto da reconfiguração do cenário mundial da cerveja, a diversificação geográfica e de escala é mais importante que nunca, e esta transação responde a este imperativo".

"A transação aumenta a flexibilidade operacional e financeira da Femsa", destacou.

A Femsa é a maior engarrafadora da Coca-Cola na América Latina e sua divisão cerveja tem 14 fábricas no México e Brasil, onde produz 35 marcas.

A negociação deve ser concluída no segundo trimestre de 2010 e será submetida à aprovação dos acionistas dos dois grupos.

O anúncio da Heineken foi uma surpresa, já que tudo dava a entender que a Femsa Cerveza seria vendia ao grupo sul-africano SABMiller, segundo o Wall Street Journal.

"É uma transação fundamental para a Heineken", declarou o diretor executivo do grupo holandês, Jean-François van Boxmeer.

"Vamos nos transformar em um ator muito mais poderoso e mais competitivo na América Latina, um dos mercados mais rentáveis e que se desenvolve com mais rapidez no mundo", afirmou.

"Esta aquisição reforça de forma considerável nossa posição no mercado global de cerveja, aumenta nossa carteira de marcas internacionais e reforça nossa posição no mercado de importação nos Estados Unidos", acrescentou.

A Heineken, fundada no século XIX em Amsterdã, produz e vende quase mais de 100 marcas de cerveja, entre elas Amstel, Cruzcampo, Birra Moretti, Foster's, Murphy's, Primus e Newcastle, e tem 56 mil funcionários no mundo.

 

Compartilhe:

    Hospedagem: UOL Host