UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

 

13/01/2010 - 17h51

EUA: Grandes banqueiros admitem erros na comissão sobre a crise

Os dirigentes de quatro dos maiores bancos americanos admitiram erros que levaram à crise financeira global, ao serem ouvidos por uma comissão especial que analisa a crise econômica. O painel de 10 membros convocado pelo Congresso, comparável ao que estudou os atentados de 11 de setembro de 2001, nos Estados Unidos, realizou suas primeiras audiências nesta quarta-feira.

"Embora tenhamos podido resistir à crise e, acredito, emergir como instituição mais forte, nós - como muitos outros - cometemos erros", admitiu Jamie Dimon, presidente e diretor executivo do JPMorgan Chase.

Phil Angelides, presidente da Financial Crisis Inquiry Commission, afirmou que o painel "poderia ser nossa última e melhor possibilidade para saber o que aconteceu realmente, para aprender com isso e restaurar a fé em nosso sistema econômico". "Se ignorarmos a história, estamos condenados a repeti-la", afirmou Angelides.

A crise, que chegou ao apogeu em setembro de 2008, explodiu devido ao colapso dos créditos hipotecários, que agiu como um tsunami em todo o planeta, freando o crescimento e submergindo os Estados Unidos e outros países na pior recessão em décadas.

O governo injetou trilhões de dólares no sistema para salvar do colapso a maior economia do mundo. Mais de sete milhões de americanos perderam seus empregos e cerca de 25 milhões estão agora desempregados ou subempregados, assinala um informe da comissão. Além disso, mais de dois milhões de famílias perderam suas casas nos últimos três anos e mais de 10 milhões foram objeto de execuções judiciais durante esse período.

O presidente e diretor executivo da Goldman Sachs, Lloyd Blankfein, afirmou que um dos problemas foi que muitas instituições financeiras e investidores em vez de realizar suas próprias análises, confiaram nas agências classificadoras para que fizessem por elas o trabalho essencial de análise de risco.

Isto foi assim desde o começo e durante o período de investimento, tempo durante o qual não prestaram atenção a nenhum indicador de deterioração financeira, declarou à comissão. Quase todas as perdas sofridas pelas instituições financeiras durante a crise foram devidas à má administração, particularmente em matéria de bens imobiliários, assinalou Blankfein. A grande maioria das perdas podem ser rastreadas nas más decisões creditícias em geral, e muitas delas, em particular, nas concessões de empréstimos hipotecários errôneos, acrescentou.

Compartilhe:

    Hospedagem: UOL Host