UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

 

12/02/2010 - 16h01

FMI pede que governos reduzam mais a dívida pública

O chefe dos economistas do Fundo Monetário Internacional, Olivier Blanchard, pediu nesta sexta-feira aos governos que sejam mais ambiciosos na redução da dívida pública, para que tenham margem de manobra em tempos de crise.

"O ensinamento da crise é claramente que os objetivos em matéria de níveis de dívida devam ser mais exigentes do que aqueles observados antes", explicou Blanchard, coautor de um trabalho de pesquisa intitulado "Repensar a política macroeconômica".

Ele não mencionou um país ou índice, mas considerou que alguns Estados membros se equivocaram ao não reduzir suficientemente suas dívidas públicas durante o período de forte crescimento antes da crise.

Esta crise "mostrou a importância de se ter margem no orçamento, (...) uma margem de manobra durante os períodos difíceis", declarou Blanchard em entrevista concedida à revista interna do FMI.

"Algumas economias avançadas, que entraram na crise com níveis de dívida altos e vários compromissos não financiados, tiveram pouca margem para recorrer a uma política orçamentária e hoje enfrentam ajustes difíceis", acrescentou.

"Isso nos faz pensar que temos que voltar a examinar os objetivos de dívida em relação ao PIB. Talvez devamos apontar para níveis muito mais baixos do que os de antes da crise", considerou.

O FMI estimava em novembro na última versão de seu "Relatório sobre vigilância orçamentária multinacional" que esses níveis de dívida, provavelmente, aumentariam nos próximos anos.

À exceção dos "amplos ajustes orçamentários", a dívida média dos países ricos do G20 deverá passar de 99% do PIB em 2009 para 107% em 2010 e 118% em 2014.

Compartilhe:

    Hospedagem: UOL Host