UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

 

25/02/2010 - 06h49

Calderón: México deve se associar a economias emergentes como o Brasil

O México deve se associar a economias emergentes, como a do Brasil, já que os Estados Unidos e a Europa devem ter uma recuperação lenta, afirmou na quarta-feira o presidente Felipe Calderón, um dia depois de anunciar com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva o início de um acordo estratégico de cooperação comercial.

"O Brasil é uma economia que está crescendo. Se nós queremos fazer crescer a economia mexicana para gerar empregos, temos que buscar mercados que nos permitam crescer com eles", disse Calderón.

O mexicano e o presidente Lula anunciaram na terça-feira o início do processo para uma associação estratégica comercial, entre as duas maiores economias da América Latina, cujo PIB conjunto equivale a 70% da região e com 50% da população continental.

"Os Estados Unidos vão demorar muito a recuperar os níveis de atividade econômica de antes da crise. A Europa também vai demorar muito ou mais que o previsto", disse.

A economia mexicana registrou uma grave retrocesso de 6,5% do PIB em 2009, arrastada pela crise financeira internacional iniciada em outubro de 2008 nos Estados Unidos, país para o qual o México vende 80% de suas exportações.

As economias que vão crescer mais nos próximos 10 anos serão as emergentes, como China, Índia e Brasil, destacou Calderón.

"O Brasil é um mercado em crescimento, é um mercado grande de 200 milhões de habitantes com alta capacidade de consumo e características similares ao mexicano", completou o presidente ao ser questionado sobre as resistências entre o empresariado mexicano.

Compartilhe:

    Hospedagem: UOL Host