UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

 

06/05/2010 - 16h10

Banco de Portugal quer reforçar medidas de austeridade

O presidente do Banco de Portugal, Vítor Constâncio, pediu, nesta quinta-feira, ao governo socialista o reforço do programa de austeridade em meio a tensões nos mercados que temem um contágio da crise grega.

"Portugal deve considerar o reforço de seu programa, já que a situação evoluiu e não podemos ignorar esses sinais", declarou Constâncio durante uma cerimônia do conselho dos governadores do Banco Central Europeu (BCE) em Lisboa.

Na semana passada, a agência de rating Standard&Poor's havia degradado a nota da dívida a longo prazo de Portugal, enfatizando similaridades com a crise grega.

"Seria desejável que fossem antecipadas as medidas previstas para os próximos anos e que elas fossem concentradas agora, nesta fase de tensão nos mercados", estimou Constâncio que deve, no próximo mês, assumir a vice-presidência do BCE.

"Seria útil se a redução do déficit fiscal fosse um pouco maior do que o previsto esse ano", disse ainda.

O governo português previu reduzir, em 2010, o déficit de 9,4% do Produto Interno Bruto (PIB) para 8,3%, pretendendo baixá-lo ainda mais até 2013 para a casa dos 3%, através de um crescente reforço nas medidas de austeridade.

Questionado sobre o programa de grandes obras previsto pelo governo e vividamente contestado pela oposição de direita, Constâncio estimou que seria "normal" adiar esses investimentos. "É evidente que, na atual situação de tensão e dificuldade financeira, tudo deve ser reconsiderado", declarou.

Até o momento, o primeiro-ministro José Sócrates, minoria no parlamento, se fez de surdo às reclamações sobre os projetos do TGV Lisboa-Madri e do novo aeroporto na capital portuguesa, considerados "essenciais à modernização do país e à competitividade das empresas".

Compartilhe:

    Hospedagem: UOL Host