UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

 

18/08/2010 - 16h59

Reservas abundantes fazem petróleo cair em NY e Londres

NOVA YORK, 18 Ago 2010 (AFP) -Os preços do petróleo caíram nesta quarta-feira em Londres e Nova York, alcançando o piso em um mês, afetados por reservas abundantes nos Estados Unidos.

No New York Mercantile Exchange (Nymex), o barril do West Texas Intermediate (designação de "light sweet crude" negociado nos EUA) para entrega em setembro ficou em 75,42 dólares, queda de 35 centavos em relação a terça-feira.

No InterContinentalExchange de Londres, o barril de Brent do Mar do Norte com igual vencimento caiu 46 centavos, a 76,47 dólares.

O WTI limitou suas perdas no fim da sessão, depois de cair a 73,83 dólares, seu nível mais baixo desde 7 de julho, afetado pelas conclusões sobre o relatório semanal do Departamento de Energia americano.

As perdas "foram geradas pela tendência à baixa imposta pelas cifras da American Petroleum Institute (API). É óbvio que em vista do nível dos estoques de petróleo e produtos refinados, o tom é negativo", disse John Kilduff, da Again Capital.

Precedidos tradicionalmente pelos dados do Departamento de Energia, os da API, a associação de industriais petroleiros americanos, divulgou uma alta consistente das reservas de petróleo nos Estados Unidos, de 5,9 milhões de barris, assim como as de gasolina (+2 milhões) e de produtos destilados, entre eles, diesel e combustível para calefação (+2,2 milhões de barris).

O relatório semanal do governo publicado às 14h30 GMT (11h30 de Brasília) mostrou queda menor, com uma redução dos estoques de petróleo de 800.000 barris na semana passada. Os analistas consultados pela agência Dow Jones esperavam, no entanto, uma queda maior, de 1,3 milhão de barris.

O mercado não cedeu diante destes dados de reservas, que se mantêm em um nível muito elevado, particularmente em Cushing, Oklahoma (sul), principal terminal petroleiro nos Estados Unidos: atualmente, são duas vezes maiores que as registradas há dois anos.

"Algumas realizações de lucros, assim como a recuperação do mercado de ações (em Wall Street) levaram os preços quase ao equilíbrio", disse John Kilduff, afirmando que é difícil ignorar a correlação entre o mercado petroleiro e o de ações nos últimos tempos.
Hospedagem: UOL Host