UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

 

25/08/2010 - 15h37

Engarrafamento monstro desaparece de repente na China

Distrito de Xinghe, China, 25 Ago 2010 (AFP) -Um engarrafamento monstro de caminhões de mais de 100 km na entrada de Pequim reduziu de repente, após as mídias chinesa e estrangeira terem amplamente divulgado o caso, estimando que poderia durar até meados de setembro.

Uma longa fila de caminhões começou a se formar no dia 14 de agosto, por causa de obras, na autoestrada Pequim-Tibete. Ao longo do congestionamento - ambulantes vendiam comida e água a preços altíssimos.

Mas uma equipe de jornalistas da AFP que partiu nesta quarta-feira à procura do engarrafamento percorreu a rodovia por 260 km até o interior da Mongólia sem encontrar qualquer obstáculo, apenas a lentidão costumeira perto dos pedágios.

"A situação melhorou muito recentemente. Não sei dizer o porquê", declarou, perplexo, um empregado de um posto de gasolina do distrito de Huailai, na metade do caminho entre a capital e o distrito de Xinghe, no interior da Mongólia.

Os funcionários do escritório dos transportes de Pequim não estavam acessíveis para explicar o sumiço repentino do congestionamento.

O tráfego que já vinha ficando lento há alguns anos nesta direção que leva também para um dos pontos mais visitados da Grande Muralha da China, Badaling, piorou em junho e julho, congelando de vez em meados de agosto.

O bloqueio da autoestrada forçou os guias turísticos que levavam turistas para visitar a Muralha a procurar outras soluções.

O total de emplacamentos em Pequim, estimado em quatro milhões de veículos, foi ultrapassado no fim do ano passado e, até o fim de 2010, esse número deve chegar a cinco milhões.

O chefe do centro de pesquisas sobre transportes em Pequim, Guo Jifu, alertou nesta semana que a velocidade média de circulação poderia cair para 15km/h se medidas não fossem tomadas para limitar o número de automóveis na megalópole de 20 milhões de habitantes.
Hospedagem: UOL Host