! Lula discutirá crise com Berlusconi na Itália - 10/11/2008 - BBC Brasil
UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

10/11/2008 - 08h46

Lula discutirá crise com Berlusconi na Itália

Fernanda Nidecker

Enviada especial da BBC Brasil a Roma
A crise financeira mundial estará no centro das conversas que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva terá com o primeiro-ministro Silvio Berlusconi durante sua primeira visita de Estado à Itália.

Lula chegou na tarde de domingo a Roma acompanhado da primeira-dama, Marisa da Silva, e de uma comitiva de seis ministros.

O presidente passará cinco dias na capital italiana e tem encontro marcado com as principais lideranças do país. Na quinta-feira, será recebido pelo papa Bento 16, no Vaticano, onde assinará o Acordo Brasil-Santa Sé.

Segundo o Itamaraty, Lula e Berlusconi falarão de propostas que serão apresentadas durante a reunião dos chefes de Estado do G20 (grupo dos 20 países mais industrializados do mundo mais os emergentes), no próximo sábado, em Washington, para discutir soluções à crise financeira mundial.

O governo brasileiro vem defendendo uma ação coordenada para enfrentar a crise, baseada em uma reforma do sistema financeiro internacional, na revisão e na regulação dos mercados financeiros.

Outra reivindicação do Brasil é a ampliação do G8 (grupo que reúne as sete economias mais industrializadas do mundo mais a Rússia) de modo a incluir os países emergentes.

A Itália assume a Presidência rotativa do bloco a partir de janeiro de 2009, e Berlusconi já sinalizou que apóia a expansão do G8 para incluir economias emergentes como Brasil, China, Índia e México.

"O G8 ampliado deve se tornar o foro capaz de enfrentar os graves problemas econômicos atuais", declarou Berlusconi em outubro.

Investimentos no PAC
A viagem de Lula também terá como objetivo estreitar as relações comerciais entre Brasil e Itália e tentar atrair investimentos do país europeu para as obras do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), lançado pelo governo federal para a reestruturação da infra-estrutura do país.

Um dos principais compromissos na agenda do presidente é o seminário empresarial sobre oportunidades de investimento no Brasil oferecidas pelo PAC, na tarde de terça-feira.

De janeiro a setembro deste ano, o Brasil captou US$ 241,5 milhões em investimentos diretos da Itália, colocando o país em 13º na lista dos principais investidores no Brasil.

De acordo com dados do Banco Central, nesse período, a Itália injetou bem menos recursos do que outros países europeus, como França (US$ 1,6 bilhão), Alemanha (US$ 746 milhões) e Grã-Bretanha (R$ 579,2 milhões).

Segundo números do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, o intercâmbio comercial entre Brasil e Itália movimentou, de janeiro a setembro deste ano, US$ 7,1 bilhões.

O total do ano de 2007 foi de US$ 7,8 bilhões, com saldo positivo para a balança comercial brasileira. As exportações para a Itália no ano passado somaram US$ 4,4 bilhões, um acréscimo de 16% em relação ao anterior. Já as importações tiveram um incremento de 30%, passando de US$ 2,5 bilhões para US$ 3,3 bilhões.

De acordo com o secretário de Comércio Exterior do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Welber Barral, ainda é cedo para fazer um prognóstico sobre se a crise financeira mundial prejudicará o comércio entre os dois países.

"A Itália é um grande parceiro comercial do Brasil, sendo nosso terceiro mercado dentro da União Européia, depois de Países Baixos e Alemanha. Muitas análises de entidades mundiais apontam para uma recessão, mas avaliamos que há muitas possibilidades para a contínua expansão do comércio como uma das formas de retomar o crescimento mundial", disse o secretário, em entrevista à BBC Brasil.

Estão também previstas as assinaturas de acordos bilaterais nas áreas de defesa, infra-estrutura, tecnologias espaciais, saúde e ciências médicas, medicina veterinária, e de interação entre pequenas e médias empresas.

Imigração
A imigração também deverá entrar na pauta de discussões entre Lula em Berlusconi.

Em maio, um mês apos assumir o poder, o premiê italiano anunciou medidas duras contra a imigração que limitam o ingresso de estrangeiros no país, facilitam a expulsão dos irregulares e transformam a imigração clandestina em crime.

Em sua última visita à Itália, em junho, Lula disse esperar que a perseguição aos imigrantes que chegam à Europa não aconteça também com os brasileiros.

"Acho que só tende a melhorar a relação Brasil e Itália. Eu trabalho com a convicção de que essa perseguição aos imigrantes que está acontecendo hoje na Europa -e também aqui na Itália- de que ela não aconteça com brasileiros", disse Lula na época.

O presidente ainda afirmou que toda vez que alguém quiser perseguir um brasileiro, tem que lembrar que o Brasil "age com coração de mãe" porque sempre soube acolher os imigrantes que recebeu.

A Itália -ao lado de Portugal- é um dos países europeus que mais recebem imigrantes brasileiros. Estima-se que mais de 60 mil brasileiros vivam no país.

Agenda
O presidente passou a primeira noite da viagem na Embaixada brasileira em Roma. Na manhã desta segunda-feira, segue para o Palácio presidencial Quirinale, onde ficará hospedado até quarta-feira.

No Quirinale, Lula será recebido pelo presidente italiano, Giorgio Napolitano, e, à tarde, fará uma visita à Câmara dos Deputados, onde se reúne com o presidente da Casa, Gianfranco Fini.

Na terça-feira, Lula tem encontro marcado com o primeiro-ministro italiano, Silvio Berlusconi. À tarde, participa do seminário empresarial sobre oportunidades de investimentos no PAC.

Outros compromissos do programa incluem uma oferenda floral ao Altar da Pátria e a participação de um seminário com o tema "Nova economia, nova democracia".

A agenda ainda inclui um encontro com o prefeito de Roma, Gianni Alemanno, na quarta-feira, e uma audiência privada com o Papa Bento 16, na manhã do dia seguinte.

Durante o encontro com o pontífice, Lula assinará o Acordo Brasil-Santa Sé relativo ao Estatuto Jurídico da Igreja Católica no Brasil, cuja proposta original foi apresentada pela Santa Sé ao governo brasileiro em setembro de 2006.

O acordo aborda temas como a liberdade religiosa, a não-discriminação por razões de credo, o ensino da religião nas escolas e o estatuto financeiro da Igreja católica.

O presidente brasileiro também espera abordar com o papa temas como a luta contra a fome no mundo, a imigração e o incentivo ao desenvolvimento.

Lula segue na tarde de quinta-feira para Washington, onde participa da Cúpula do G20 no dia 15.

Compartilhe:

    Hospedagem: UOL Host