! GM anuncia fechamento de fábricas e corte de 23 mil vagas nos EUA até 2011 - 28/04/2009 - BBC Brasil
UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

28/04/2009 - 02h13

GM anuncia fechamento de fábricas e corte de 23 mil vagas nos EUA até 2011

A montadora norte-americana General Motors anunciou nesta segunda-feira que irá cortar cerca de 21 mil postos de trabalho nos Estados Unidos até o ano que vem, e mais 2 mil até 2011. A empresa também anunciou que abandonará uma de suas marcas mais tradicionais, a Pontiac, até o final de 2010.

As medidas fazem parte do plano de reestruturação financeira da empresa para tentar evitar sua falência.

O prazo dado pelo governo dos EUA para que ela reestruture por completo seus negócios é o dia 1 de junho.

Força de trabalhoDe acordo com um comunicado divulgado pela montadora, o corte nos postos de trabalho fará com que a empresa passe de cerca de 61 mil funcionários nos Estados Unidos em 2008, para 40 mil em 2010, em uma redução de 34%.

Para o ano de 2011, a empresa espera contar com uma força de trabalho de 38 mil funcionários.

O plano representa um corte adicional de entre 7 mil e 8 mil postos de trabalho em relação a um projeto de reestruturação apresentado ao governo dos EUA no último dia 17 de fevereiro.

Reestruturação
O fim da marca Pontiac, segundo a empresa, servirá para que ela foque seus esforços em suas outras marcas: Chevrolet, Cadillac, Buick e GMC.A montadora também afirmou que pretende fechar 13 de suas 47 fábricas nos Estados Unidos até o final de 2010, e outras três até 2012.

A GM também pretende cortar pela metade suas dívidas ao persuadir proprietários de títulos a trocarem US$ 27 bilhões em títulos por ações da companhia.

A empresa também pretende solicitar ao Tesouro dos Estados Unidos a troca de metade dos empréstimos que fez à GM por 50% de participação acionária.

Até o momento, o governo americano já emprestou US$ 15,4 bilhões à GM.

Sindicato
A GM também pediu ao principal sindicato de trabalhadores da indústria automotiva dos EUA, United Auto Workers (UAW), que aceite ações da empresa em troca do cancelamento de 50% do montante de US$ 20 bilhões que a montadora tem de pagar para um fundo de pensão de saúde.

A empresa também afirmou que reduzirá o número de concessionárias nos EUA em 42%, saindo de 6.246 lojas em 2008 para 3.506 até o final de 2010.

"Esta redução nas concessionárias permitirá uma rede mais competitiva de lojas e vendas mais eficientes em todos os mercados", diz o comunicado da GM.

Depois de todas as reformas anunciadas, os atuais acionistas da GM ficariam com apenas 1% da empresa.

Casa Branca
A força-tarefa para a indústria automotiva do governo dos EUA afirmou que os anúncios da GM são bem-vindos, mas ressaltou que o governo ainda precisa avaliar a proposta de trocar o pagamento de metade dos empréstimos por participação na empresa.

"Continuaremos trabalhando com a administração da GM para refinar e finalizar este plano", afirmou a Casa Branca em um comunicado.

Compartilhe:

    Hospedagem: UOL Host