! 'Incêndio' da crise passou e hora é de 'reconstruir', diz Mantega - 05/08/2009 - BBC Brasil
UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

05/08/2009 - 20h58

'Incêndio' da crise passou e hora é de 'reconstruir', diz Mantega

O ministro da Fazenda Guido Mantega se referiu à crise econômica mundial durante sua visita a Washington e disse que as grandes economias do planeta já conseguiram ''apagar o incêndio e agora é preciso reconstruir a casa''.

Os comentários do ministro foram feitos nesta quarta-feira, após um encontro com o secretário do Tesouro americano, Timothy Geithner.

''A crise financeira propriamente dita está superada. Não há mais riscos de quebradeira'', afirmou o ministro.

Apesar disso, Mantega acrescentou que Estados Unidos e Brasil compartilham da percepção de que ainda é cedo para deixar de lado políticas de estimulo econômico.

Mantega disse concordar com a proposta americana de ampliar os poderes do Fed (Federal Reserve, o Banco Central Americano), e disse que o colega americano está de acordo com a idéia brasileira de fortalecer o Fundo Monetário Internacional (FMI) e o Banco Mundial.

G20
Um dos propósitos do encontro entre Mantega e Geithner foi o de traçar metas comuns para a reunião do G20, grupo que tem a participação das 20 maiores economias e inclui diversos países em desenvolvimento, que será realizada na cidade americana de Pittbsburgh, nos dias 24 e 25 de setembro.

O ministro acrescentou que ele e o colega americano estão de acordo sobre o fortalecimento do G20, que, na visão do ministro, é hoje o principal fórum multinacional, superando em importância o G8, o grupo dos sete países mais industrializados do mundo mais a Rússia.

Antes do encontro em Pittsburgh, haverá, no dia 4 de setembro, uma reunião de ministros das pastas econômicas das nações que integram o G20.

Mantega afirmou que o Brasil pretende levar à reunião uma proposta de regulação dos sistemas financeiros.

''O sistema financeiro tem que ser regulamentado. Caso contrário, dentro de alguns anos teremos uma repetição da crise'', afirmou, acrescentando que é preciso ''estabelecer limites para atuação de instituições financeiras''.

O ministro da Fazenda identificou também neste tema uma sintonia com a visão dos Estados Unidos.

De acordo com Mantega, a proposta possui ''vários pontos de convergência com a americana'', em referência à que está sendo discutida atualmente pelo Congresso americano.

Troca-troca
Durante a passagem por Washington, Mantega se encontrou com o representante brasileiro no FMI, Paulo Nogueira Batista, e negou rumores de que o diretor-executivo do Fundo será o substituto de Lina Vieira na Receita Federal, demitida no último dia 15.

''Não sei quem inventou essa história. Ele é um excelente diretor no Fundo. Sempre me reúno com Paulo Nogueira quando venho a Washington. Vou tomar essa decisão (sobre o novo nome para a receita) quando voltar a Brasília''.

O ministro também comentou o convite feito nesta quarta-feira por senadores ao presidente do Banco Central, Henrique Meirelles, para que ele se candidate a algum cargo político.

Mantega frisou que Meirelles não disse que aceitava a proposta e brincou:
''Digamos que eu pretenda me candidatar a vereador. Uma possibilidade bem remota. Existe uma política de governo, definida pelo presidente Lula, que vai continuar. Temos uma política de metas inflacionária. A política a ser seguida será a mesma, seja com ele ou sem ele.''

Compartilhe:

    Hospedagem: UOL Host