UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

 

26/03/2010 - 09h54

Times e Sunday Times vão cobrar por acesso online a partir de junho

Os jornais britânicos The Times e Sunday Times vão começar a cobrar pelo acesso ao seu site na internet a partir de junho de acordo com a companhia proprietária dos jornais, a News International.

Os usuários terão que pagar uma libra por dia (cerca de R$ 2,66) ou então 2 libras (aproximadamente R$ 5,30) por uma semana, que dará direito a acessar os dois jornais.

Atualmente os dois jornais tem um site em conjunto, o Times Online mas, a partir de maio, cada um terá sua própria página na internet e os usuários que se registrarem poderão fazer um período de testes, de graça, antes de assinar.

De acordo com o correspondente da BBC para o setor de mídia Torin Douglas, a News International afirmou que seu novo sistema de cobrança é acessível e simples e os assinantes terão direito a novos aplicativos, além do conteúdo dos dois jornais.

James Harding, editor do The Times, disse à BBC que o jornal vai aproveitar mais vídeos, gráficos e comentários interativos, com conteúdo para telefones e outros dispositivos móveis.

Quedas No ano passado o magnata americano da mídia Rupert Murdoch anunciou que seus jornais iriam começar a cobrar pelo conteúdo online, mas a indústria ainda está dividida a respeito destas medidas.

Com a queda nas vendas de jornais, as companhias estão buscando um novo modelo de negócios para conseguir obter algum lucro com suas páginas na internet.

Mas, com tanto conteúdo de notícias online disponível de graça, a decisão da News International é vista como uma estratégia de alto risco.

James Harding admite que é uma medida arriscada. "Mas é menos arriscado do que simplesmente jogar fora nosso jornalismo e entregar tudo de graça", disse o editor à BBC.

Ele comparou a situação da indústria de notícias com a da indústria musical há quatro anos.

"As pessoas diziam que o jogo tinha acabado para a indústria musical, pois todo mundo estava baixando (músicas) de graça. Mas agora as pessoas estão comprando de lojas online", disse.

Já a presidente-executiva da News International, Rebekah Brooks afirmou que a decisão pela cobrança foi tomada "num momento de definição para o jornalismo... Temos orgulho de nosso jornalismo e não temos vergonha de dizer que acreditamos em seu valor".

"Este é apenas o começo. O The Times e o Sunday Times são os primeiros de nossos 40 títulos na Grã-Bretanha a tomar esta decisão. Vamos continuar a desenvolver nossos produtos digitais, investir e inovar para os nossos clientes", acrescentou.

Mas, segundo Tim Weber, editor de economia da BBC o novo modelo adotado pelo The Times e o Sunday Times está fadado ao fracasso por várias razões.

"Não há um sistema amplamente aceito de pequenos pagamentos online para os consumidores de notícias. E, especialmente na mídia em inglês, existem muitos competidores grátis - sites comerciais e serviços públicos como a BBC", afirmou.

No entanto, Weber afirma que as alternativas são poucas e, enquanto a tecnologia e o consumo de produtos de mídia evoluem, a indústria vai elaborar novas formas e modelos de cobrança pela assinatura.
Hospedagem: UOL Host