UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

 

08/07/2010 - 11h12

Crise deixou FMI em 'silêncio profundo' e Banco Mundial 'mudo', diz Lula

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse nesta quinta-feira que o Fundo Monetário Internacional (FMI) está em "silêncio profundo" e que o Banco Mundial "ficou mudou" diante da crise financeira internacional.

Lula, que assinou acordos bilaterais durante uma visita à Zâmbia, disse ainda que a turbulência financeira é um "alerta" para que os países do hemisfério sul - como o Brasil e os africanos - "ajam diferente de como agiram no século 20".

Durante um encontro com o presidente da Zâmbia, Rupiah Bwezani Banda, o presidente afirmou que a falta de ação dos países para tomar medidas anti-crise está turvando os horizontes de uma possível tranquilização do cenário internacional.

"A crise já poderia ser tratada como se fosse uma coisa do passado se os países ricos tivessem colocado em práticas as medidas que foram discutidas no G20. Mas eles não colocaram. O sistema financeiro ainda não está controlado, os paraísos fiscais ainda existem e o crédito ainda não foi disponibilizado para atender ao comércio internacional", afirmou Lula.

"Quando a crise era num país como Zâmbia ou em um país como o Brasil, aqui apareciam o FMI e o Banco Mundial para nos ensinar o que fazer e para dar palpite nas nossas políticas. Agora que a crise é nos países ricos, o FMI está em um silêncio profundo e o Banco Mundial ficou mudo. Ou seja, eles não sabem como tratar a crise como pensavam que sabiam tratar a crise nos países pobres." Crise sem tamanho Lula disse que "agora estamos com uma crise na Europa que não sabemos ainda qual o tamanho dela".

"Ainda não sabemos a quantidade de dinheiro podre que existe nos bancos dos países europeus e não temos um sistema de fiscalização que possa nos informar o tamanho do buraco nos bancos alemães ou nos bancos franceses", listou.

O presidente listou sucessos econômicos do seu governo - o fato de o Brasil ser credor do FMI, ter cerca de US$ 250 bilhões em reserva e gozar de uma perspectiva de crescimento de pelo menos 5% neste ano - para apontar o que sugeriu ser uma ironia na economia mundial.

"Graças a Deus, e eu acredito que Deus escreve certo por linhas tortas, a economia dos países emergentes e dos países em desenvolvimento estão mais sólidas do que a dos países considerados ricos." Para Lula, a crise deve servir de "alerta para os países do sul ajam diferentemente do que agiram ao longo século 20".

"Durante grande parte do século 20 nós tivemos a expectativa de que os países ricos resolveriam nossos problemas. A crise mostrou que nós é que temos de resolver nossos próprios problemas", disse.

O presidente foi saudado na Zâmbia, onde assinou dez acordos - inclusive um no qual o Brasil aportará US$ 200 mil para um "Fome Zero Zâmbia" -, como o líder de um país-chave nas negociações internacionais.

"O Brasil hoje se destaca entre os países emergentes não apenas na região da América Latina, mas no mundo", disse o presidente Banda.

Copa do Mundo Lula embarca ainda nesta quinta-feira para Johanesburgo, na África do Sul, onde lança, à noite, a logomarca oficial que inicia a contagem regressiva para a Copa de 2014, que será sediada pelo país.

O presidente tem agendado assistir à final da Copa do Mundo no domingo, mas nos últimos dias tem demonstrado cansaço e manifestado sua indisposição de comparecer ao jogo final.

Um assessor de Lula disse que há "90% de chances de ele não ir", mas o próprio presidente ventilou para jornalistas que o assunto ainda não está decidido.

Hospedagem: UOL Host